Arquivo diário: outubro 6, 2013

Insegurança

Insegurança pode ser visto como um sentimento desencadeado pela percepção de vulnerabilidade.

Quando se é, ou se torna insegura, a pessoa fica sem a confiança em si própria e sem a certeza de que poderá desempenhar atividades, seja em que campo for.

Às vezes, a insegurança pode fazer crescer uma timidez disfarçada, o que também impede a realização, minando a coragem para tentar implantar uma idéia nova ou continuar na luta para novos empreendimentos.

De fato, a pessoa insegura acaba se isolando, muitas vezes, exatamente pela timidez, e cria-se aí o círculo vicioso: mais insegurança, mais isolamento; mais isolamento, menos capacidade de se relacionar e, portanto, de realizar.

E o que parece arrogância pode ser simplesmente uma manifestação de insegurança, uma defesa natural que torna mais difícil de desenvolver a inteligência social tão necessária para bons relacionamentos.

Mas a insegurança pode e deve ser controlada e educada.  Conheci pessoas que compensaram esse sentimento com a luta, pois ao invés de se deixarem abater, se dispuseram a lutar firmemente pelo que haviam planejado.

Isso é, na verdade, uma superação do estado negativo em que, às vezes, nos encontramos e, ao contrário de ficarmos pelos cantos nos achando incapazes e inseguros, vencemos os obstáculos, seja na realidade ou na nossa cabeça.

Tem indivíduos que, num ambiente desconhecido se sentem completamente inseguros, e desenvolvem uma atitude de isolamento.

Claro que todos nós nos sentimos mais seguros quando chegamos numa festa e vemos nossos amigos e conhecidos, mas se isso não acontece, devemos aproveitar para fazer novas amizades, ouvir novas línguas, discutir novas idéias.

Se não agimos assim, perdemos então, na maioria das vezes, a oportunidade de descobrirmos gente com quem poderíamos nos divertir, aprender, dividir.

Enquanto alimentam a insegurança, essas pessoas vão deixando de lado as chances que, para alcançá-las, é preciso aprender a reconhecê-las, sem compará-las com as oportunidades de outras pessoas.

A comparação é nosso pior inimigo quando se trata de insegurança.

Temos que ter a consciência de que somos o que somos e que devemos aprender, cada vez mais, sempre que possível, com tudo e todos que nos rodeiam.

Se nos compararmos todo o tempo com quem tem mais, ou que achamos ser mais do que somos ou temos, corremos o risco de nos sentirmos inferiores, e desenvolvermos, dessa forma, um sentimento maior de insegurança que pode nos levar à derrota, até antes de empreendermos a luta ou alvo de nosso desejo.

Esse raciocínio, a meu ver, se aplicaria para todo tipo de insegurança, seja no sentido amoroso, na disputa por um cargo, nas amizades.

Eu não tenho sentimento de ciúme.

Devo ser muito segura, ou muito irresponsável.

Prefiro pensar que sou a primeira alternativa.

Enfim, devemos sempre lutar para que o sentimento de insegurança não tome conta de nós, e assim evitarmos um sofrimento que, na maioria das vezes, é sem fundamento.

Vamos nos ater aos fatos.

Cuidado com a nossa imaginação, ela é muito fértil e pode nos levar a consequências inevitáveis, e sem retorno.

Abraços bom domingo 🙂

Amanda