Arquivo mensal: setembro 2016

Oportunidade

Saber reconhecer a oportunidade não é tarefa fácil em nossa vida diária, pois ela pode vir disfarçada, e a gente não consiga reconhecê-la de imediato.

Por isso, temos que aprender e nos habituarmos a vê-la, sem tendências, para que não a percamos de vista e, dessa forma, conseguirmos aproveitá-la no bom sentido para que possamos realizar nossos propósitos.

Sempre que imaginamos atingir algo, seja no sentido pessoal ou profissional, o primeiro impulso que temos seria o imediato, mas devemos nos lembrar de que o imediatismo pode nos trazer decepções.

O senso de oportunidade não se trata somente de encontrarmos o momento certo, mas também, e principalmente, sabermos a hora de tentarmos um novo negócio, nos aproximarmos de maneira correta de alguém com quem teremos relação de amizade ou comercial, uma forma correta de buscarmos um novo emprego, enfim, para tudo existe o momento ideal.

Para conseguirmos um novo trabalho, devemos tomar cuidados essenciais, pois uma entrevista mal conduzida pode nos fazer perder a ocasião de nos mostrarmos honestamente como somos, o que pretendemos e o que somos capazes de fazer, e com isso estaremos perdendo, provavelmente, uma oportunidade única.

Podemos dizer que a oportunidade tem um significado de conveniência, pois se somos oportunos, agiremos adequadamente em qualquer situação que se apresente a necessidade de decisão.

Se o ditado diz que a oportunidade faz o ladrão, ela faz também com que possamos aproveitá-la para conhecermos a pessoa certa, no momento certo, e conseguirmos demonstrar nossa capacidade de ação onde a ocasião se apresentar.

O que não podemos e nem devemos é perdermos a chance, seja por uma distração de nossa parte, seja por timidez fora de hora, e devemos sim, manter nosso senso de espaço, e de adequação.

Dessa forma, seguramente conseguiremos atingir o interesse especialmente dirigido para determinado assunto, o qual podemos desenvolver dentro do nosso senso de oportunidade.

Importante é não deixarmos passar aquele momento adequado, onde a oportunidade apareceu, pois se ela não voltar, perdemos o momento ideal de se colocar em prática atitudes que podem mudar toda uma vida.

Até uma escolha tem seu custo da oportunidade, escolha de uma distração, escolha de um trabalho, de uma carreira, de diversas atitudes tomadas em detrimento de outras.

Pensar bem é algo que devemos praticar sempre, exatamente para tentarmos evitar uma opção inadequada, cujo arrependimento não fará com que tudo seja transformado de acordo com nossa vontade.

E esse senso de escolha não se refere somente ao caráter profissional, mas também a opção entre uma diversão e outra, uma programação diferenciada, amigos mais jovens ou mais velhos, dependendo da atividade à qual nos dedicamos naquele momento.

Não perder a oportunidade é um dos segredos de grandes profissionais e para isso não nos deixemos levar por uma distração que pode nos custar toda uma carreira.

Oportuna visão do futuro é o que devemos sempre tentar desenvolver!

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda

Anúncios

Vida em família

Na vida em família, temos que ter firmes convicções, sorrir nas contrariedades e sermos fortes nas dificuldades.

Li sobre esse conceito outro dia, e concordo plenamente, pois aprendi e tenho vivido em família, morei com minha mãe durante toda a minha vida, e sempre nos demos muito bem, nos respeitávamos e nos amávamos e concordávamos com praticamente todos os conceitos que me eram transmitidos por ela.

Como era uma pessoa muito sensata e agradável, a convivência era fácil e prazerosa.

Aprendi muito, e até hoje, após sua partida, uso conceitos e idéias que me eram transmitidas por ela e que cabem na vida e na época de todos nós.

Só temos a aprender com as pessoas de maior experiência, pois já terão vivido tudo o que nós começamos a aprender em nossa vida.

A vida em família pode ser um aprendizado e um ensinamento, se formos humildes o suficiente e deixarmos a vaidade de lado, achando que sabemos mais do que os outros.

Na verdade, não precisamos aprender somente com os mais velhos, mas os mais jovens também, ainda mais nos dias de hoje, terão sempre algo a nos transmitir, pois têm uma vida cheia de ensinamentos, muito mais do que em outros tempos.

Isso, se tivermos a capacidade de sabermos aprender e adquirir novas idéias, e até mesmo novos conceitos, pois os tempos vão mudando e temos que mudar junto.

Devemos entender que a família é mais do que um resultante genético. É formada por ideais, sonhos lutas, sofrimentos e também as tradições morais que se firmam com a convivência, que deverá ser a mais respeitosa, tranquila e proveitosa possível.

Não nos esqueçamos de que a vida em família é importante em virtude de sua função educadora e regenerativa.

Os pais têm a obrigação de transmitirem aos filhos os conceitos de bondade, moral e tudo o que aprenderam também com seus pais, e nunca deixarem que se desenvolvam, entre outras características negativas, o egoísmo e o orgulho, pois podem estar sujeitos a receberem mais tarde o sentimento de ingratidão.

A comunhão de idéias deve ser desenvolvida entre os membros de uma família, para que a convivência se torne algo leve, e ao mesmo tempo que seja um prazer seguir os exemplos dos pais, que os transmitiram com amor e paciência.

A família é uma espécie de laboratório, onde estão sentimentos, se estruturam aspirações e se refinam as idéias para a realização de projetos.

Importante para vivermos bem em família, é preciso que tenhamos aproximação entre os membros, a convivência fraternal e prestativa, apreço e consideração de uns para os outros, e também precaução e tolerância para as possíveis divergências, para que se chegue sempre a uma conclusão agradável e produtiva.

Vamos, portanto, praticarmos sempre a tolerância e a humildade de termos a consciência de que não sabemos tudo, e aprendermos com os conceitos que nos são transmitidos pela família.

Abraços e bom domingo bem familiar, com muito carinho e amor 🙂

Amanda

Moderar impulsos

Importante moderarmos impulsos e retomarmos a consciência do que seria mais adequado.

Um conceito que devemos tentar seguir sempre, afim de que possamos ter resultados em nossos propósitos, é principalmente o da persistência, como em todas as nossas iniciativas, pois sem perseverança nada conseguimos realizar.

Mas, tudo isso somente devemos seguir se estivermos lutando por um objetivo sério, qual seja nossa profissão, uma pesquisa que nos leve a resultados que possamos usar para melhorar nossos semelhantes, isto é, tudo o que for para melhorar a vida de maneira geral, seja pessoal ou profissionalmente.

O que temos que aprender a moderar ou a simplificar são nossos impulsos menos nobres, ou que nos leve a resultados que não nos propiciem ou a outros, benefícios esperados ou programados anteriormente.

Mesmo porque não nos esqueçamos de que impulso é, normalmente, um desejo intenso que nos leva a fazer algo de maneira inesperada e sem pensar nas consequências que poderão advir no futuro, próximo ou não.

Temos que ter em mente que o impulso nos leva a termos determinados comportamentos que podem nos conduzir a resultados nem sempre positivos, e por isso, cada vez que tomamos algumas atitudes, devemos estar preparados para suportar as implicações a que estaremos sujeitos.

Por isso, moderar impulsos se torna quase obrigatório, se queremos nos dar bem, e estudarmos com quem lidamos sempre, assim evitamos chegar a alguma situação que pode se tornar desastrosa e insolúvel.

Claro que, de vez em quando, algumas ocasiões se apresentam onde temos a vontade de dizer e/ou responder a alguém de forma não muito habitual, mas nessa ocasião é que temos que controlar nossas atitudes, e principalmente nossos impulsos, pois uma resposta mal dada poderá desencadear um tipo de comportamento que não seria muito habitual de nossa parte.

Já ouvimos algumas pessoas dizerem, quando o assunto é saber moderar o que dizer para não sermos ofensivos, que são autênticas e dizem o que pensam, mas dizer o que se pensa nem sempre significa autenticidade, mas sim, em muitas ocasiões, falta até mesmo de discrição e educação.

Conter-se não significa falta de personalidade, e sim uma questão de educação e de respeito à opinião alheia, pois temos que nos conscientizar de que nem sempre temos razão naquilo que pensamos e no que venhamos a dizer.

Controlar nossos impulsos numa ocasião em que divergimos da opinião de alguém num grupo, não quer dizer que não saibamos o que pensar, mas sim, que respeitamos a opinião do nosso próximo, que, muitas vezes, estamos completamente errados.

Só que precisamos ser humildes, e manter nosso autocontrole, para que nossa opinião possa ser ouvida e respeitada.

Para que isso ocorra, devemos educar nosso impulso de dizer algo do qual não estejamos absolutamente certos, baseando-nos em experiências já feitas e comprovadas, para não nos arriscarmos a emiti-las levianamente e sermos vitimas de criticas que, de  alguma forma, nos desagradaria.

Abraços e bom domingo, sem impulsos levianos 🙂

Amanda

Simplicidade e Humildade

Essa é uma dupla de comportamento que devemos sempre fazer um tremendo esforço para conquistarmos esse binômio em nossa vida, pois, se conseguíssemos, com certeza seríamos as pessoas mais perfeitas do mundo. Claro, como não existe perfeição, ficaremos felizes de tentarmos atingir pelo menos uma pequena parcela desse tipo de comportamento.

A simplicidade deve acompanhar nosso ritmo de vida. É um dom que devemos cultivar, o que nos fará um grande bem no decorrer de nossas atividades, e as pessoas que colaboram conosco ou as que nós temos o dever de auxiliar se sentirão bem quando precisam estar na nossa companhia.

Sermos simples não significa, obviamente, abdicarmos de emitir nossas opiniões, ou as ordens aos nossos subordinados, mas sim, procurar fazê-lo com simplicidade, sem deixar claro nosso conhecimento mais profundo que o deles, e sim, como se fosse uma colaboração que estivermos prestando no decorrer das atividades.

A simplicidade nos traz somente benefícios, pois o aprendizado pode nos fazer progredir em nosso trabalho, em atividades que mereçam um conhecimento que só adquirimos se formos humildes.

Inegavelmente uma coisa está sempre ligada a outra.

Se não reconhecemos nossa ignorância em determinado assunto, como poderemos adquirir conhecimento ?

Todos nós já nos deparamos com pessoas que acreditam saber tudo, e como consequência, nada aprendem, pois lhes falta a famosa humildade para admitirem sua falta de conhecimento ou de experiência.

E sem nos esquecermos de que, cada vez que ouvimos com humildade, estaremos aprendendo, e com esse comportamento, teremos tomado maior conhecimento e, portanto, possibilidade de progresso.

A simplicidade está aliada a humildade, pois é um reconhecimento de que poderemos progredir se ouvirmos o nosso próximo, seja ele de nível escolar diferente do nosso ou não.

O bom senso é uma atitude que pode ser gerada pela simplicidade e pela humildade, portanto temos que cultivá-lo também para termos atitudes equilibradas que possam não comprometer inocentes.

E, muito essencial é que tenhamos a consciência de que a verdadeira humildade é conseguirmos dar o melhor de nós mesmos sem nos sentirmos melhores do que os outros, e procurarmos ter consciência de nossas qualidades, mas reconhecermos que temos também nossas falhas.

É conseguirmos ter a consciência de que sua opinião nem sempre pode estar certa e cultivar a humildade de ouvir o outro, que pode estar tendo idéias melhores do que as nossas.

E além disso, devemos desenvolver o fato de sabermos que temos muitas qualidades, mas reconhecermos a existência de nossos defeitos, pois dessa forma, teremos condições de melhorarmos sempre e realizar mais e mais.

Portanto, vamos tentar manter nossa autocrítica sensível, imparcial, no sentido de podermos detectar, dentro da simplicidade, a humildade, desenvolvendo assim cada vez mais nossa inteligência social.

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda