Arquivo mensal: março 2018

Desconsideração

Desconsideração é, basicamente, a ação ou o efeito de desconsiderar, uma falta de respeito, seja com relação a qualquer assunto que demande uma obediência, um acatamento para que haja bom funcionamento de uma lei ou convivência.

Não devemos de forma nenhuma e em qualquer ocasião ignorar aquilo que estaria proibido ou descrito como não recomendável, pois estaremos sempre sujeitos às leis que regem tais proibições, sejam elas de menor ou maior importância, pois o que não é importante para alguns, pode se tornar de muito valor para outros.

Uma desconsideração pode ser mesmo uma ofensa, por exemplo, palavras desagradáveis ditas em momento de raiva instantânea, sem que se pense antes de se exprimir, e é nesse momento que devemos nos esforçar para que nosso controle possa se manifestar.

Devemos sempre nos educarmos para lembrar de usarmos a consideração, solicitude e atenção para atendermos aos amigos, sem nos esquecermos de compromissos que tenhamos assumido anteriormente.

Outro aspecto que temos que desenvolver é o de cumprirmos os compromissos assumidos, pois isso faz com que haja a confiança que os outros depositam em nós, sabendo que nunca falhamos, a não ser em casos de extrema necessidade.

A consideração se refere também a pessoas que não sejam nossos conhecidos, mas alguém que nos chega solicitando uma informação, e até mesmo pedindo algo material de que estariam necessitados.

Muitos não atendem a esse tipo de pedido, mas acho desumano, pois só o fato de alguém estar pedindo, já significa um tipo de humilhação que nenhum de nós gostaria de ter que passar.

Não podemos e nem devemos ignorar aquilo que nos rodeia, e sempre que pudermos prestar alguma ajuda, seja em que aspecto for, devemos fazê-lo. Com certeza nos sentiremos bem melhor.

É óbvio que não seremos obrigados a tomarmos conhecimento de tudo o que nos rodeia, mas chegaremos a observar aquilo que falta ao nosso redor, e que, se pudermos amenizar, o faremos, pois fomos educados a ajudar a quem necessita, estando ao nosso alcance.

Claro que, se desconsiderarmos e fingirmos que não estamos vendo, ninguém nos cobrará, mas vamos imaginar como ficará nossa consciência. Será que dormiremos em paz?

Obviamente, esse é um problema só nosso, mas se somos sérios e conscienciosos, não precisamos de ninguém nos cobrando e nos lembrando das necessidades alheias, sejam materiais ou espirituais, pois um simples conselho ou opinião que emitimos pode mudar uma vida.

Prestar atenção é mais trabalhoso do que ignorarmos, mas que nos fará bem, tenho certeza que sim!

Não nos esqueçamos de que a desconsideração é um desprezo que pode custar consequências inimagináveis, pensemos portanto, que, muitas vezes, uma pequena atenção pode ser importante e servir para recuperar situações, com uma simples intervenção que nada nos custaria.

Até o próximo domingo, com um abraço cheio de consideração 🙂

Amanda

Anúncios

Incertezas

Nunca deixe que as tristezas do passado e as incertezas do futuro estraguem as alegrias do presente.

Li uma vez esta frase e achei interessante o seu conteúdo, com o qual concordo inteiramente.

Na verdade, o que nos entristeceu em tempos atrás poderá estar sempre presente em nossos corações, mesmo que tenhamos superado e que tenhamos conseguido ultrapassar sem muito sofrimento.

Claro que o que nos aborrece costuma deixar cicatrizes, e embora a ferida tenha sido aparentemente curada, e possamos continuar a viver tentando evitar que elas retornem, muitas vezes ficam sequelas que não são fáceis de apagar.

Temos que nos cuidar para que as incertezas não tomem conta de nós e nos façam tristes, cuidarmos para que interpretemos devidamente as atitudes do próximo, para que não cometamos injustiças, e não faltemos com a verdade dos fatos.

Assim, importante praticarmos cautela para que, sem estarmos certos do que se passa ou que se passou, não nos influenciarmos para o lado contrário à verdade que encerra, e não deixarmos que as aparências nos enganem, muitas vezes, sem o retorno que poderia por fim às dúvidas que surgem.

Quando estamos em dúvida de como agir em alguma situação, temos que colocar o nosso cérebro para trabalhar mais arduamente, para que consigamos encontrar a solução ideal para os problemas aos quais estaríamos buscando.

Se não tivermos certeza de estarmos agindo corretamente, melhor será desistirmos para não termos arrependimentos futuros, e sem a possibilidade de mudar uma situação já estável e que não nos deixe nenhuma expectativa de trocar de lado, por exemplo.

Assim, devemos tomar muito cuidado para que as incertezas do futuro e decepções do passado não possam danificar as alegrias do presente, e para isso, temos que pensar muito antes de agirmos em qualquer situação, seja na área profissional ou pessoal.

Na verdade, o risco designa uma situação em que as possibilidades do futuro são conhecidas, de certa maneira, mas a incerteza se refere a uma situação em que não se conhecem somente as possibilidades.

Infelizmente, em nossa vida diária, nos deparamos com pouca coisa de que podemos ter certeza.

Pois tudo é imprevisível e a dúvida e a incerteza fazem parte de nossa convivência, e apesar de nossas condições saudáveis de saúde, de convivência social, e que tudo isso possa nos oferecer certa medida de segurança, a vida nos mostra que não podemos presumir que tais situações sejam infalíveis, e que tudo seja sempre um “mar de rosas”.

O tempo e o imprevisto sobrevêm sobre os acontecimentos e chegam sem que possamos prever e esperar. Por isso, tão importante mantermos sempre dentro de nós o amor e amizade, sem falar na gratidão, que nos traz paz para lidarmos com o imprevisto e imprevisível.

Como não podemos prever e influir em muitos acontecimentos que surgem em nossas vidas, o que podemos fazer é tentarmos nos prevenir onde pudermos, e assim lidar com as incertezas da maneira menos traumatizante que conseguirmos.

E tomemos cuidado para não nos fixarmos em algo que ainda nem aconteceu! Como dizem, não vamos sofrer por antecipação.

Abraços e bom domingo, tentando dominar as incertezas o mais possível 🙂

Amanda

A arte de dominar

Para mim, a principal arte que nos ajuda a viver bem é aprendermos a dominar nossa mente, no sentido de conseguirmos realizar aquilo que desejamos e que achamos ser o ideal em nossa vida, tanto no sentido espiritual como no material.

Em primeiro lugar, devemos aprender e cultivar a arte de chegarmos a dominar os desejos indesejáveis, ambições que não sejam o ideal em nossa vida, os vícios que podem nos destruir.

Quando conseguimos dominar aquilo que desejamos fazê-lo, vamos nos sentindo vitoriosos, pois sofrear nossa mente é um prêmio que recebemos da natureza.

Quando falamos em domínio, temos a tendência de achar que dominar significa sempre algo que desmerece a quem o faz ou que se sujeita.

Mas não é esse tipo de domínio a que nos referimos, e sim ao construtivo, seja em que sentido se referir.

Principalmente ao conseguirmos dominar nosso sentimento que não for muito positivo, ou que nos constranja diante de nosso próximo, e que nos seja difícil conter.

Para isso, temos que manter nossa mente sempre em ordem, tentarmos nos encontrar sempre com idéias positivas e construtivas, para que consigamos ajudar quem nos rodeia e quem de nós necessita, em qualquer ocasião.

Importante, no entanto, é conseguirmos usar com muito critério a ciência da persuasão, mas sem praticarmos a manipulação, para evitarmos o domínio de forma desonesta.

Assim, sempre que necessitarmos de informações, seja em que âmbito for, tentemos usar da honestidade acima de tudo em qualquer ocasião, e sabermos que, com isso, teremos a chance de conseguirmos resultados incríveis.

Podemos dominar um assunto, uma pesquisa, sem usarmos de artifícios, e tentando sempre retribuir a quem nos fornece uma resposta para aquele assunto que estaríamos discutindo, pois uma coisa é certa: as pessoas se sentem sempre obrigadas a retribuir um favor que lhes foi feito.

E, se dominamos uma situação, um assunto, uma ciência, teremos sempre a chance de transmitirmos algo proveitoso para nossos circunstantes.

Sempre vemos o assunto “dominar” sob vários aspectos, como dominar a arte da sedução, de implementar as vendas através exatamente da persuasão, que consiste na estratégia da comunicação e utiliza recursos emocionais para induzir alguém a aceitar uma idéia, uma situação, uma forma de encarar negócios a serem feitos, etc.

E quando nos referimos também a dominar, pensamos igualmente em conseguirmos conter nossos instintos que não se coadunam com nosso modo exato de pensar e agir, pois sem esse domínio, estaríamos sujeitos a criarmos situações difíceis de serem contidas ou toleradas.

Dominar, portanto, não significa necessariamente comandar, reger, influenciar.

É o fato de conseguirmos conter, controlar até mesmo nosso temperamento, nossa maneira de agir para que não seja um tanto exagerada e fora do propósito que desejaríamos.

Abraços e bom domingo, bem dominado por nós, na medida exata para que não sirva de prejuízo a ninguém 🙂

Amanda

Diálogo

Uma das grandes saídas para quase qualquer situação afim de dirimir dúvidas é o diálogo, pois sem ele, não seria possível se chegar a uma conclusão, basicamente para qualquer assunto que exija uma solução adequada.

Trocar idéias é, normalmente, o recurso ideal para encontrarmos a saída em matéria de resolução para qualquer tipo de problema que se apresente em determinada ocasião.

Sem diálogo fica realmente difícil chegarmos ao ideal que estamos buscando, pois nem sempre temos a solução e não somos infalíveis, por isso a humildade de procurarmos auxilio também é primordial quando temos que tomar decisões importantes e assim fazer as escolhas certas para nossas vidas.

Para isso, temos que desenvolver a comunicação e, principalmente sermos humildes para escutarmos o nosso próximo, e analisarmos a saída que nos foi aconselhada.

Porque com humildade seremos capazes de conseguirmos optar por melhores soluções, seja no que se referirem.

Sempre existe uma forma adequada de se resolver qualquer tipo de problema, então ideal é, alem de raciocínio, que estudemos muito bem qualquer assunto que estejamos abordando ou para o qual estejamos buscando uma solução.

E quando se fala em ideal, se pensa na área pessoal, mas também profissional, na capacidade de realização, no tempo e espaço disponíveis.

Sem nos esquecermos da experiência que normalmente se precisa ter para abordar qualquer tipo de atividade, afim de se evitar erros que podem comprometer os resultados esperados e desejados.

Daí a importância do diálogo, para que cheguemos sempre a uma conclusão adequada.

O diálogo equivale a trocarmos ideias, e com isso aprendermos sempre.

Só que para isso, devemos reconhecer que não sabemos tudo nesta vida, e que os que sabem mais do que nós podem nos passar opiniões melhores do que as que estaríamos pretendendo.

O que temos como certo e fora de dúvida nem sempre é o único modo de perceber o mundo.

O que aconteceria se suspendêssemos ao menos temporariamente nossos modos habituais de pensar, nossas “certezas” e conversássemos livremente?

Observaríamos de outros ângulos, ampliaríamos nossa consciência e pensaríamos, e provavelmente resolveríamos, os mesmos problemas de modo diferente, e talvez melhor.

Lembremo-nos de que o que temos como certo, nem sempre é o único, ou mais eficiente modo de perceber o mundo.

O diálogo é, provavelmente, a forma mais natural e eficaz de comunicação 🙂

Abraços e bom domingo,

Amanda