Arquivo mensal: abril 2013

Presunção

Podemos dar vários significados diferentes à palavra presunção.  Ela pode ser interpretada como altivez, arrogância, empáfia e outras definições menos nobres.

Acredito que precisamos tomar muito cuidado no momento de colocarmos algo em dúvida, sem termos a devida comprovação, pois corremos o risco de incidirmos num gravíssimo erro de julgamento baseado numa presunção.

As consequências podem ser tremendamente desastrosas.

Ao tomarmos atitudes injustas, podemos nos arrepender amargamente depois, sem contar que um erro de atitude pode gerar constrangimento e prejuízo para quem dirigimos erradamente a nossa suposição.

É extremamente delicada essa situação de precipitação no emprego da nossa presunção vazia e sem fundamento.

Devemos ter muito cuidado no sentido de usar a presunção, seja ela dirigida a qualquer pessoa, acontecimento ou comportamento.

Ela pode gerar pré-conceitos e pré-julgamentos.

Podemos presumir, às vezes erradamente, que uma pessoa dedicada e estudiosa, automaticamente tenha maiores chances de resultados positivos em suas carreiras e suas vidas de maneira geral.  Isso pode não acontecer.

Podemos também ter surpresas com pessoas que na juventude não tenham sido tão dedicadas e, com a maioridade, retome princípios de luta e seriedade e ganhe destaque durante a vida pessoal e profissional.  Já vi isso acontecer e muito.

A presunção no sentido de expectativa é um perigo.

Mas existe um outro tipo de presunção, no sentido de esperança, de atitudes positivas que geram outras atitudes positivas.  E essa presunção vem da fé e da confiança interior.

E eu sofro dessa presunção.

Posso dizer até que, de certo modo, sou presunçosa, no sentido de tentar fazer o melhor em tudo e com todos.

E acho que faço.

Lutei muito em todas as áreas, como pessoa, como funcionária que fui, como empresária, esposa, mãe, filha e amiga.

E talvez seja uma presunção de minha parte mas acho que realizei tudo ou quase tudo o que me dispus a fazer.

Esse sentido de presunção inspira. E é esse sentimento que estimula meu espírito de luta e de vontade de vencer.

Procuremos ter em mente sempre que o ideal é usarmos a presunção no sentido da realização honesta e desprezar qualquer sentimento da presunção orgulhosa, discriminativa e preconceituosa.

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda

Anúncios

Superação

“O que não nos destrói nos faz mais fortes” é uma das frases mais verdadeiras que já escutei.  Ela encerra uma verdade desconcertante.

Sempre conhecemos pessoas que superaram vários tipos de problemas: emocionais, físicos, sociais, financeiros.

E temos um grande exemplo no nosso mundo que é o maestro João Carlos Martins.

Ele é um exemplo sabido e conhecido de superação de problemas físicos, que ao invés de derrubá-lo, o tornou ainda maior, melhor e mais conhecido cada dia que passa.

Ele revigorou o mundo da musica erudita no Brasil, abrindo as portas para quem nunca teria condições de nele entrar e que sonha em participar de sua maravilhosa orquestra filarmônica.

O maestro vai aos bairros menos favorecidos ensinar sua arte e traz talentos de todas as partes, beneficiando, assim, aos que têm a vocação mas jamais teriam a chance de participar contando somente com seu talento.

E como João Carlos, de quem temos a honra e o prazer de sermos amigos e admiradores, vemos outros exemplos maravilhosos de superação.

Me lembro quando era bem pequena, meu avô tinha sete filhos, e um deles, o mais jovem, era músico e trabalhava em uma fábrica de tecidos em uma pequena cidade de Minas Gerais.

Um dia, que seria a comemoração do 7 de setembro, a banda em que ele tocava, e  na qual outro tio meu também participava, estava se apresentando em uma cidade vizinha.

Na estrada, um fazendeiro da região viu passar o ônibus que os conduzia, e não gostou que os homens que estavam dentro riam muito contando casos, como se faz quando se está alegre e sem nenhuma obrigação no momento.

Ele se irritou, pegou a arma e atirou no ônibus.  A bala foi certeira no meu tio mais jovem.  Ele morreu.

Meu avô foi de uma serenidade que me chamou atenção.  Ele adorava e admirava aquele filho, que realmente era muito dedicado e especial para os pais e irmãos.

Mas nunca ouvimos uma lástima sair da boca de meu avô.  Tristeza, sim, mas não queixa ou revolta.

Aquela conformação marcou toda a minha vida.

Me sinto diminuída até porque tenho certeza de que não seria capaz de agir com tal serenidade perante tamanha injustiça.  Conheço minhas limitações, daí humildemente reconheço minha incapacidade nesse sentido.

Tenho uma enorme capacidade de me reinventar e aceitar as mudanças da vida e do mundo, como dizem, dançar conforme a música.  Mas não tenho dentro de mim essa capacidade de superação incondicional.

Acredito que não seja uma qualidade inata mas sim uma postura que deve ser cultivada na medida do possível.

Lembro sempre dessa atitude do meu avô, e tento dar a dimensão devida a cada problema.

Não podemos dar a mesma atenção para dificuldades corriqueiras como damos a  desgraças e tristezas que são realmente motivo de consternação e abatimento.  Mas também não podemos exagerar na dimensão que damos às tragédias que ocorrem nas nossas vidas a ponto de pararmos de viver.

Claro  que não é fácil, mas é a única alternativa de que dispomos para vivermos bem e felizes.

E nunca nos esqueçamos que para superação de situações de tristeza em qualquer âmbito, o apoio de amigos e parentes que nos auxiliam nesse processo é imprescindível.

Vamos sempre tentar amenizar os acontecimentos, nossos e de quem nos rodeia, dando o justo valor, sem super ou sub dimensioná-los.

E quem sabe assim, possamos aprender e nos educar para superar até os problemas que nos parecem mais difíceis.  Essa é a lei da superação.

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda

Elogios

Receber elogios é bom demais e devemos recebê-los sempre com gratidão.  Mas o elogio não deve nos tornar tão auto-confiantes a ponto de assumirmos uma postura pedante, desagradável e de difícil convivência.

Quando nossas qualidades e nossa luta são reconhecidas, ficamos envaidecidos e com razão. Mas a vaidade equilibrada e com humildade é um dos grandes segredos do sucesso dos mais bem sucedidos.

Claro, se nos esforçamos para conseguir um resultado, é natural que recebamos a recompensa, o reconhecimento ainda que seja em forma de um comentário de incentivo, para que continuemos a lutar por resultados propostos anteriormente.

No entanto, devemos ter em mente que, se elogiamos algo a alguém, deve haver sinceridade acima de tudo, para não incorrermos num erro que pode trazer consequências.

Por exemplo:

Por receio de ofender ou criticar levianamente, podemos preferir elogiar uma roupa ou um prato que não gostamos.  Mas esse falso elogio pode acarretar a repetição do mesmo erro, pois a pessoa segue pensando que acertou.

Na dúvida, prefiro calar-me.

Já o elogio merecido, este deve vir sempre.  Incentiva o outro a tentar sempre merecê-lo na próxima ocasião.

Na verdade, todos nós executamos tarefas em todos os sentidos buscando a maior perfeição possível.

Nos arrumamos, falamos, estudamos, escrevemos e fazemos outras atividades, sempre esperando um elogio e reconhecimento.

Quando pequenos nos arrumamos e olhamos para nossos pais, esperando que eles digam:

Que bonitinho!

Ao começarmos nossos estudos, fazemos os deveres de casa e mostramos ansiosos e orgulhosos para nossa mamãe com os olhos bem abertos, esperando o elogio e nunca a crítica.

Mais tarde ao passarmos no vestibular, chegamos em casa e damos a notícia também esperando um: “eu sabia que você entraria, meu filho”.

E assim, vamos pela vida, sempre aguardando a palavra mágica que nos deixa orgulhosos por acertar.

E quando escolhemos um parceiro também apresentamos aos nossos pais aguardando uma palavra de aprovação.

Meu marido me contou que quando me apresentou à sua mãe, num momento que me levantei e me afastei um pouco, ela apertou seu braço e lhe disse:

“É disso que você está precisando, meu filho”.

Quer maior elogio para um filho?

Ela acertou, pois estamos casados e felizes há muitos anos.

São elogios que ficam para toda a vida.

Portanto, vamos sempre ter uma palavra de elogio como reconhecimento para incentivarmos a pessoa que o recebe a realizar sempre mais e melhor.

E ao recebermos um elogio, tentemos fazê-lo com modéstia sem deixar que ele nos suba á cabeça, como se diz.  Humildade acima de tudo.

Mas como todos temos uma ponta de vaidade, a minha faz com que eu espere gentis elogios e comentários 🙂

Abraços e um bom domingo,

Amanda

Solidão

A solidão é um sentimento que envolve tristeza, ansiedade e desejo de estar com alguém que amamos e com quem queremos compartilhar nossas tristezas, ansiedades e desejos, assim como nossas idéias, dificuldades e também momentos de felicidade.

Eu sempre procurei me cercar de amigos com quem eu possa dividir minhas alegrias e tristezas.

Mas conheço pessoas que apesar de viverem sozinhas, não sentem o vazio da solidão.

Já outras sofrem enorme solidão, mesmo acompanhadas.  Acho que não há nada mais triste do que a solidão a dois.

Outro dia uma amiga se referiu a essa maneira de ser, falando que, mesmo sendo casada e considerada bem casada, se sentia extremamente só em várias ocasiões.

E comentou tudo isso, sem desvalorizar e denegrir a imagem de seu casamento, que segundo ela, é dentro do normal, sendo o marido uma pessoa muito especial e bem sucedida.

Disse ela que ele é um excelente pai e proporciona todo o conforto material para a família.

Eu lhe perguntei, então, o que ela queria dizer com “solidão a dois”.

Ficou meio tímida e, na verdade, sem saber bem como explicar.

Por fim ela começou a falar e se emocionou ao exemplificar a situação:

Quando acontecia de estarem a sós, fosse numa ocasião de uma refeição em casa, ou ao se deitarem, nunca havia uma palavra, um assunto de interesse comum, algo que lhe contasse, nada.

“Simplesmente ele se cala como se eu não existisse ao seu lado naquele momento”, disse ela, explicando que por mais que tentasse entabular uma conversa, seria inútil.

Sem saber o que fazer, ela também se cala e almoçam ou jantam em silêncio, ou dormem em silêncio.

Achei tão triste essa revelação, e o pior é que se escuta isso muito hoje em dia e se constata diariamente essa solidão até em ambientes públicos.

Quantas vezes vemos em restaurantes a mesma situação.  Casais que saem de casa, se sentam para comer e não trocam nenhuma palavra, completamente sem assunto de interesse comum.  É uma troca de silêncio.

Alguém um dia perguntou a um casal amigo porque eles continuavam juntos, se não conversavam, a não ser sobre pagamentos de contas, problemas de colégio dos filhos, coisas que envolvem somente a vida prática do lar.

A esposa respondeu triste e simplesmente: “Que vou fazer nessa altura de minha vida?”

Eu me pergunto:

Será que a vida de uma pessoa com essa problemática não seria mais divertida e com mais diálogos com pessoas amigas?  Será que poderia trocar idéias, aprender algo, estudar, enfim, ser mais feliz se estivesse só?  Vale a pena conviver com alguém que não nos ouve e não se comunica conosco, por mais que façamos um esforço nesse sentido?

São perguntas que ninguém pode responder por nós.

Claro que cada pessoa tem sua maneira de ver a vida e pode até achar cômoda uma relação de solidão a dois.

Questão de pontos de vista, que temos que respeitar.

Mas eu já prefiro a união a dois, a companhia de amigos e familiares, o convívio amoroso que me tira a solidão.

Confesso que não gosto de estar sozinha.  Mas não suportaria nunca a solidão a dois.

Desejo a todos um bom domingo, bem acompanhados, sem solidão 🙂

Grande abraço,

Amanda