Potencial

De vez em quando, ouvimos pessoas comentarem sobre a capacidade de alguém, “fulano tem potencial”, isto é, pode fazer algo ao qual se refere naquele momento.

E quando se refere a esse tipo de possível realização, sempre se acredita que tal pessoa, ou grupo de pessoas, possui a capacidade de realizar algo, mas isso não quer dizer que faria, pois tudo nesta vida depende de nossa luta, da dedicação que nos impomos.

É a capacidade de desenvolvimento que muitas vezes falta, uma vez que já houve a capacidade de planejar e tentar a realização de algo a que se dispôs primeiro em pensamento.

Mas não quer dizer que aquilo que foi planejado possa ser executado, pois na prática tudo se torna mais difícil quando quase sempre dependemos de terceiros e de circunstâncias externas que podem dificultar a realização, mas ai vem a luta para a realização daquilo que tenha sido planejado anteriormente.

Um bom líder deve detectar o potencial de seus subordinados, pois ele terá a chance de desenvolvê-los, trazendo assim mais sucesso para sua empresa, de maneira geral.

Essa é uma das habilidades de um líder.

E para que isso venha a acontecer, o principal é o chefe ter um grande espírito de julgamento imparcial e assim conseguir julgar sem nenhuma tendência, o que o fará escolher o melhor colaborador para determinada atividade.

Nem sempre demonstramos o que podemos fazer, seja por humildade ou até mesmo por timidez, então para termos sucesso na seleção, temos que ser imparciais e ver através das aparências.

Muitas vezes apostei no que não se via, mas sim na análise através de pequenos detalhes, tanto práticos, quanto os que não apareciam tanto.  É imprescindível prestarmos atenção em detalhes que talvez o próprio candidato não saberia que estava demonstrando.

Ai está o potencial e nossa capacidade de enxerga-lo.

Devemos sempre tentar analisar e descobrir nosso potencial e de quem nos rodeia e colabora conosco, e assim ver sua capacidade de desenvolvimento, afim de conseguir uma posição que estaria tentando ocupar.

E repito, para isso, muito importante manter a capacidade de isenção, para que não sejamos tendentes a proteger alguém que não teria condições de atingir os resultados que se esperaria dessa pessoa.

Abraços e bom domingo, valorizando sempre o potencial de quem nos rodeia, seja pessoal ou profissionalmente 🙂

Amanda

Anúncios

Acreditar

Essa é uma palavra muito delicada, pois depende da confiança inspirada em nós por quem nos rodeia, ou mesmo por quem acabamos de conhecer e de quem nos tornamos amigos.

Tem pessoas que nos inspiram imediatamente a confiança pelo que falam, pelas idéias que nos são expostas.  Já tem outras que, por mais que tentem provar que aquilo que nos dizem é verdadeiro, muitas vezes, não conseguem, não acreditamos.

Pode ser até mesmo que seja porque já tenhamos tido alguma prova de que essas não falam aquilo que seja verdade, ou porque as conheçamos pouco, algo sem muita explicação lógica.

Na verdade, nada deveríamos ter que provar, mas depende com quem estamos lidando no momento em que afirmamos algo, seja do ponto de vista social, ou profissional.  Isso acontece quando já conhecemos muito bem as pessoas em questão, e elas já estariam acostumadas conosco, pois a confiança vem com o passar do tempo e as provas que vamos dando durante nossa convivência.

Por isso, tudo o que afirmamos ou ideias que colocamos na mesa, deverá ter fundamento e termos a certeza de que aquilo que estamos afirmando nos dá a confiança que inspiramos em nossos interlocutores.

A crença, seja religiosa ou social, é algo que temos ou não, e cultivá-la se torna importante, na medida que ela nos traz a confiança naquilo que é parte de nossa vida, quase sempre.

A confiança é algo que conquistamos com a convivência, seja dos pais para os filhos, entre amigos, de forma geral é um sentimento que a convivência faz aumentar… ou diminuir, de acordo com as provas que vamos dando entre nós de que falamos a verdade, e agimos sempre com a honestidade que aprendemos.

Falar a verdade, algo que sempre foi imposto em nossa casa, mesmo que isso traga consequências inevitáveis, as crianças aprendem que apesar de terem a possibilidade de levar alguma punição, devem arcar com seus atos, falando sempre aquilo que representa a veracidade de algo que estão defendendo naquele momento.

E com isso aprendem também que o que disserem será levado em conta, para que possamos defendê-las em qualquer situação.

Tem pessoas que inspiram nossa confiança, seja em que situação for, e isso possivelmente tenha sido conquistado com as atitudes que desenvolvem durante a convivência que com elas desfrutamos.

Se tivermos que provar cada vez que falamos ou defendemos alguma idéia, e não formos dignos de crédito, já teremos a certeza de que a pessoa em questão não poderá ser considerada tão amiga quanto imaginávamos.

Como é bom e saudável podermos acreditar em quem convivemos, sejam os cônjuges, os amigos, ou até mesmo conhecidos cuja convivência nem seja tão assídua, mas que nos dá a tranquilidade absoluta.

Abraços e bom domingo, e muita crença, sempre 🙂

Amanda

Orientação

Todos nós dependemos, de certa  forma, de nos orientarmos, seja por nós mesmos, seja por outras pessoas, ou outras especialidades, das quais nos servimos e cuja direção nos fará o bem necessário à nossa vida, social ou profissional.

E para seguirmos uma certa direção seja em que assunto for, precisamos do raciocínio direto, pois a emoção não deve ter influência em muitas ocasiões, para evitarmos o erro decorrente da pressa em resolvermos determinadas situações.

Como dizemos sempre, a pressa é inimiga da perfeição.

Assim, devemos nos orientar de acordo com nossa capacidade e também de nossa experiência de vida que nos traz o receio de errarmos e, muitas vezes, não termos a oportunidade de consertarmos aquilo que foi feito inicialmente.

Procurar orientação é um sinal de responsabilidade e de humildade, com a consciência de que não somos infalíveis para buscarmos as soluções ideais, seja com outras pessoas mais experientes, estudos ou como for.

É um sinal de humildade constatarmos que naquele momento estaríamos incapazes de solucionar ou tentarmos resolver algo para o qual não estaríamos preparados sem o auxilio de alguém.

Isso não é sinal de incapacidade, mas, muitas vezes, maturidade de entendermos que não temos sempre as condições necessárias para que possamos resolver o que se apresenta em determinada situação.

E reconhecer isso é mesmo um sinal de inteligência emocional e social, saber do que somos ou não capazes de resolvermos sem ou com ajuda, seja de amigos ou de profissionais da área que estamos atingindo.

Recebi muita orientação válida de meus pais.

Uma delas do meu pai, Alberto Montalvão, que era um grande pensador e escritor:

“É consolador caminhar pela vida sabendo que, mesmo nas tempestades mais violentas, nas provas mais cruéis, no fundo dos cárceres e nos abismos insondáveis das maiores adversidades, uma força grandiosa paira sobre nós, regendo os nossos atos e nos envolvendo num manto de proteção”.

Me inspiro muito nessas sábias palavras, tentando sempre seguir essa parte de orientação para minorar os sofrimentos que a vida às vezes nos traz.

Temos muito em que nos orientarmos com nossos pais, amigos queridos que já passaram por experiências vividas e das quais não puderam se liberar e até mesmo tendo aprendido com essa vivência, isso se souberam retirar delas algo que lhes servissem de lição e de aprendizado.

Mas para isso, como sempre digo, temos que ser humildes, pois para aprender temos que admitir que não sabemos o que pensamos que sabemos.

E procurar orientação de quem já tenha vivido é um grande sinal de maturidade e de humildade, não nos esqueçamos disso.

Abraços e bom domingo bem orientados 🙂

Amanda

Segunda opção

Todas as vezes que temos algo a decidir, devemos fazer todo um raciocínio no sentido de melhor conseguirmos resolver o problema em questão.

Digamos que fácil não é, pois temos sempre que considerar todos os detalhes referentes, pelo menos, aos dois lados que discutem a situação.

Lembrando que, muitas vezes, pode nos vir o receio de cometermos injustiças, sem retorno, criando problemas, também sem retorno.

Dai, o nosso cuidado, no sentido de evitarmos prejudicar quem não merece o desenrolar de alguma forma que não se esperava, e que muitas vezes não se consegue reverter.

Praticamente, toda questão dispõe de mais de uma opção, e para encontrarmos um resultado satisfatório, devemos raciocinar com muito cuidado, afim de não cometermos injustiças a nenhum dos lados que estejam decidindo algo importante, e do que depende resultado que pode envolver até mesmo uma mudança de vida.

Temos também que considerar o que poderia  estar, de alguma maneira, em segundo plano, e nesse caso, devemos considerar uma segunda ou terceira opção, e para isso temos que ponderar todas as consequências que poderão advir de atitudes que estejamos tomando no sentido de resolvermos um assunto.

Geralmente, conseguimos encontrar uma solução adequada sem o prejuízo para nenhuma das partes que estariam em busca de opção ideal para a resolução de algum problema naquele momento.

Mesmo porque, aquilo que de alguma forma nos incomoda em determinada época de nossa vida, talvez em outro momento não seria tão importante, tudo dependendo do nosso ponto de vista que pode mudar, muitas vezes, de acordo com as circunstâncias do momento.

Mas, se tentarmos considerar sempre todos os lados de uma questão, com o raciocínio, e com a emoção em baixa, teremos mais chances de conseguirmos chegar a um resultado que nos satisfaça e, assim, mudarmos algo que estivesse nos incomodando.

Dificilmente não encontraremos uma segunda opção para algum problema que tenha surgido em nossa vida, seja pessoal ou profissional.

Claro que, em se tratando de escolha profissional, temos que escolher, muitas vezes, em mais de uma profissão, e nesse caso, devemos estudar muito bem, o que nos seja mais conveniente, aquilo que mais se adapta à nossa maneira de viver, no nosso dia a dia.

Em todos os sentidos de nossa  vida passamos sempre  por momentos onde temos que colocar em questão nossa capacidade de escolha, seja na nossa vida pessoal, profissional, financeira.

Por isso, o raciocínio deverá sempre estar frio, com uma análise bem dirigida  aos nossos interesses

Importante, portanto, é estarmos sempre com o raciocínio em ordem para tentarmos errar o menos possível em nossas escolhas.

Abraços e bom domingo, com capacidade para optar sempre pelo melhor! De olho nas opções 🙂

Amanda

Pontos de Vista

Sem nenhuma dúvida, todos nós temos pontos de vista diferentes uns dos outros sobre o mesmo assunto, e o principal, como em tudo, é o respeito pela diferença de opiniões que sempre devemos manter com quem nos cerca.

Se estamos certos a respeito de algo, isso nós pensamos, mas nos coloquemos no lugar da outra pessoa, e quem sabe não pensaríamos de maneira igual a ela?

Tudo depende de onde viemos, de como fomos criados, da educação de quem nos educou e recebeu de sua própria família, etc.

Temos, mesmo, a tendência de achar que somos mais corretos do que os outros que nos cercam, sejam os parentes ou os amigos, mas de outro lado, temos que desenvolver a chamada humildade para sabermos que muitas vezes nosso ponto de vista não coincide com o do nosso próximo.

Sobre o mesmo assunto, ouvimos opiniões completamente diferentes, dependendo do sexo, da idade, da ascendência de nossos companheiros a quem solicitamos a opinião, do nível de escolaridade de cada um de nós, entre outros fatores.

Devemos respeitar, e principalmente escutar, as razões de todos, e compreender o que os fazem pensar dessa ou daquela maneira, de suas possibilidades tanto escolares, quanto financeiras e familiares.

As opiniões costumam divergir, e se não cultivarmos o respeito por quem está sendo ouvido, o diálogo pode, de repente, transformar-se em uma discussão estéril, onde nada se aprenderá, e cujo resultado poderá ser bem desastroso.

E discussão não leva a nada, normalmente, pois devemos sempre ouvir com educação os pontos de vista de cada um.

Sabendo que nossos pontos de vista e opiniões sobre qualquer assunto podem mudar – e mudam — de acordo com nossa idade e maturidade.

A verdade é que cada um de nós tem uma forma de pensar e de ser, e é fundamental que as diferenças sejam respeitadas.

Assim, não nos esqueçamos que respeitar diferentes pontos de vista é fundamental para a boa convivência.

Abraços e bom domingo, curtindo as diferenças, que, normalmente, colaboram para nosso crescimento, isso se formos humildes o suficiente 🙂

Amanda