TOMAR UMA DECISÃO

Quando falamos em decidir por alguma mudança em nossa vida, sempre ficamos em dúvida quanto ao sucesso ou não que conseguiremos atingir.

Na verdade, não é fácil tomarmos uma decisão, seja em assunto financeiro, comercial ou mesmo particular, que muitas vezes é até o mais difícil, por envolver outras pessoas.

A dúvida sempre faz parte de nosso plano inicial, pois ficamos preocupados se o outro lado da decisão que tomarmos prejudicará ou aborrecerá os participantes.

Temos que respeitar o gosto individual, não podemos dizer, por exemplo, que cada um de nós sente frio ou calor, pois tudo depende de uma série de circunstâncias, de onde vivemos e como nosso corpo poderia estar habituado.

Podemos perceber dois grupos de turistas no mesmo clima, onde um tem um ponto de resistência por ter vivido em países diferentes e outro não.

Por exemplo, numa ocasião em que o termômetro marca 24 graus, a família que veio do Alasca pode estar de shorts e camiseta, enquanto a que veio de um país tropical pode estar sentindo frio e vestindo casacos e xales.

Não estão errados ou certos, simplesmente sentem.

Uma decisão depende muito da vida que vivemos, como fomos criados, e no exemplo acima como o nosso corpo estaria acostumado a temperaturas diferentes umas das outras.

É assim que tomamos as decisões em todas as áreas, que depende muito de nossa criação, onde crescemos, nossa cultura e costumes.

Uma decisão é sempre muito importante em nossa vida, pois temos que pesar as consequências, e se temos a capacidade de suportá-las, sem que depois lamentemos da atitude que tomamos.

Portanto, como sempre digo, pensar antes de agirmos é algo que temos que cultivar em qualquer situação, para que não nos arrependamos depois, e muitas vezes sem oportunidade de refazê-la.

E tudo o que vivemos deverá ser sem crítica.  Depende de onde e como fomos criados.

Respeito é bom e todos gostam!

Abraços e um ótimo domingo 🙂

Amanda

Construa sua história

Devemos tentar mesmo construir nossa história, e não delegarmos isso a ninguém.

Não vamos dizer que construiremos totalmente, mas devemos tentar, estudando cada vez mais em detalhes tudo o que passamos em nossa vida.

Seja na área pessoal ou profissional.

Na pessoal, muitas vezes podemos influir, dependendo das pessoas com quem lidamos, o amor que dedicamos aos nossos parentes, amigos e pessoas em geral, com quem convivemos.

Nossa história depende, muitas vezes, de nossas atitudes, nossa dedicação, e se nosso carinho se estende somente na área profissional, ou de amizade e até mesmo amorosa.

Muito importante sabermos e conseguirmos distinguir para tentarmos sempre construir uma convivência agradável, e realista.

E que seja adequada, e respeitosa uns com os outros, pois se consultamos os que têm mais experiência do que nós, aprendemos e podemos, quando necessário, passar nosso conhecimento, ajudando quem tem uma vivência menor que a nossa.

E dessa forma, vamos construindo nossa história, pois aprendendo, conseguimos progredir, e focalizar no progresso que desejamos atingir.

E, quem sabe, com nossa experiência, termos a condição de até mesmo ajudarmos nosso próximo.

Abraços e ótimo domingo 🙂

Amanda 

Futilidade

Quando falamos em futilidade, sempre nos vem a ideia de que estamos nos referindo a algo que não tem nenhuma importância.

E aí começam as nossas dúvidas, se será que aquilo que estaríamos pensando a respeito é realmente sem importância ou se faria diferença em nossas vidas.

Ou na vida de alguém a quem estaríamos nos referindo.

Pois muita coisa que parece ser fútil, muitas vezes não o é.

Por isso, importante pensarmos bem quando nos vem à ideia criarmos algo no sentido de tentarmos melhorar o que já existe, ou mesmo uma novidade que nos tenha sido inspirada.

Muita coisa que parece fútil pode até mesmo ocasionar uma oportunidade, depois de estudarmos a possibilidade e mesmo a utilidade daquilo que nos veio à mente.

Por isso, sempre temos que pensar bem antes de fazermos um juízo precipitado sobre algo que tenhamos pensado ou criado.

E, claro, termos a humildade de admitirmos quando estamos errados em algum julgamento inicial a respeito de algo que nos tenha sido proposto.

Seja no campo prático ou intelectual.

O que no início pode ter parecido simplesmente fútil, pode, de fato, se tratar de algo útil, que alguém a quem nos dirigimos aproveite, seja uma ideia, um plano de funcionamento, enfim, o que se possa obter um resultado até mesmo surpreendente.

Analisarmos com cuidado e atenção o que nos tenha sido proposto ou oferecido, seja uma ideia, um produto, uma função, é o ideal para que haja o aproveitamento ideal.

Portanto, tenhamos muito cuidado em considerarmos se se trata de algo fútil ou útil.

Abraços e um ótimo domingo 🙂

Amanda

Elegância

Quando falamos ou citamos a palavra “elegância”, pensamos ou nos referimos à maneira como as pessoas se vestem, se estão na moda, se as roupas estão realmente adequadas e bonitas.

Mas esses termos não se referem somente ao ponto de vista aparente ou material, e sim na maneira como as pessoas se apresentam, como se comportam e enfrentam situações muitas vezes difíceis de serem contornadas.

Ou enfrentadas, e até mesmo resolvidas.

São ocasiões complicadas de se tentar sair, e sem se conseguir resolvê-las.

Ou mudá-las.

Porque mesmo quando temos que opinar diferentemente do que os amigos pensam, devemos fazê-lo com certa discrição e elegância, para evitarmos a ofensa desnecessária.

Discordar é um aspecto de nossa opinião, mas para não ofendermos a outra parte, temos que pensar bem o que e como falamos sobre o que estamos opinando.

Nossa maneira é o que nos diferencia.

Se somos gentis, até mesmo ao emitirmos opiniões diferentes, tudo fica mais aceitável da outra parte à qual estamos demonstrando nossa maneira de pensar.

Educação é tudo o que temos que usar sempre, sabemos que às vezes não é fácil, pois ouvimos opiniões estranhas e até absurdas, mas nossa educação deve nos permitir discordar com a elegância a que nos referimos.

Importante, portanto, sabermos emitir nosso ponto de vista, se solicitados, de maneira educada, gentil, e com muita elegância.

Dessa forma, conquistamos a confiança de quem nos solicitou.

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda

Imperfeição

Quando falamos ou pensamos em imperfeição, nos vem à mente, muitas vezes, o contrário do que desejaríamos, que é a perfeição.

Mas temos que nos cuidar, pois não podemos desejar ou achar que sempre atingiremos uma forma completa e perfeita de executarmos qualquer atividade. 

Ou tentarmos colocar nossas ideias na prática, sem que tenhamos feito um excelente e detalhado estudo sobre o que idealizamos anteriormente.

Pois podemos, de alguma forma, até mesmo termos nos esquecido de algum detalhe ou aspecto que pode modificar todo um resultado.

Pensarmos bem e estudarmos as consequências de tudo que idealizarmos, seja na parte prática ou intelectual, é algo que pode nos evitar sérios problemas, os quais não havíamos contado.

E que podem nos trazer resultados sem as condições necessárias a uma mudança posterior.

Temos sempre receio de sermos imperfeitos, mas o que temos que pensar é exatamente o contrário, que não somos perfeitos e podemos cometer erros.

Somos seres humanos, e nunca nos esqueçamos disso, sujeitos a enganos, que muitas vezes são difíceis de serem corrigidos, mesmo que tenhamos conhecimento do assunto que estejamos tratando naquela ocasião.

Portanto, estudemos bem, e com certa profundidade, aquilo que tenha vindo à nossa ideia que tenhamos criado e analisemos as consequências dos resultados, os bons, e os que não tenhamos possibilidade de alcançar.

Perfeitos jamais seremos, claro, mas podemos tentar errarmos o menos possível.

Abraços e bom domingo, com menos erros que consigamos cometer 🙂

Amanda