Benevolência

Quando falamos ou pensamos em alguém benevolente, sempre nos vem à mente alguém de boa vontade que pensa em ajudar quem dela precisa, ou quem dela se aproxima pedindo sua ajuda, seja em que âmbito for.

Porque ajuda nem sempre significa algo material, como alimento, dinheiro, etc, mas, muitas vezes, um gesto de apoio, seja um conselho que até mesmo pode mudar uma vida, ou pelo menos uma maneira de viver para melhor seguir o caminho mais adequado.

E que traga resultados melhores dentro do mais apropriado na vida de cada um de nós.

Assim, a benevolência, quando chega através de um conselho bem colocado e num momento oportuno, pode trazer resultados especiais para uma determinada situação.  Basta, muitas vezes, um gesto de carinho numa hora de tristeza, um abraço, um aperto de mão.

Esse conforto à alma é algo que se transmite até mesmo num sorriso na hora certa, que pode se tornar um apoio para quem está precisando desse gesto que podemos fazer espontaneamente, e ser tão bem recebido por quem dele está precisando naquele momento.

E não nos custa nada!

Importante que sejamos sinceros e que tenhamos sempre uma disposição favorável através de nossa benevolência.

Assim, proporcionamos o conforto de que a pessoa tanto estaria necessitando.

Sejamos, portanto, benevolentes, mesmo que para alguém desconhecido, pois não temos que esperar por nenhuma gratificação, somente fazermos o que pudermos, com a boa vontade que aprendemos com nossos pais, e dentro da nossa criação.

Abraços e ótimo domingo 🙂

Amanda

Precipitação

Temos que nos cuidar para não nos precipitarmos em relação a diversas áreas da atividade humana.

Uma delas é o fato de emitirmos uma opinião a respeito de algo que esteja sendo discutido, seja em que âmbito for, pois podemos cometer um erro de julgamento.

E a precipitação também deverá ser cuidada para que não expressemos ideias que, se pensássemos melhor, não teríamos exposto de determinada maneira, mas de forma talvez mais compreensível.

Pensar sempre antes de agir ou falar, aprendi desde cedo com meus pais, é importante para que não nos expressemos de forma a que nos arrependamos mais tarde, pois muitas vezes não teremos como voltar atrás.

A responsabilidade em expormos uma ideia é sempre importante, pois se o fizermos próximos a alguém mais jovem, podemos até mesmo influenciar para algo que não seria muito adequado à pessoa e ou à sua idade.

E não é somente em relação à ação que temos que nos cuidar, mas também em planos de vida, por mais simples que sejam, para não corrermos o risco de nos arrependermos depois, pois nem sempre teríamos como modificar os resultados que podem advir.

Atitude precipitada é sempre um risco, pois não saberemos nunca de antemão as reações que poderemos provocar ao nos expressarmos de forma impensada, pois muitas vezes nesse caso poderemos ofender alguém, o que jamais faríamos se pensássemos melhor.

E não só falarmos algo que não deveríamos naquele momento, mas também agirmos sem pensarmos melhor, pois dessa forma poderíamos evitar alguma reação inesperada, ou mesmo provocarmos uma inimizade que não desejaríamos.

Pensar antes de falar e agir, mesmo que sejamos solicitados a fazê-lo, é uma atitude muito importante para conseguirmos manter uma amizade.

É um situação extremamente delicada.

Mas é só pensar antes de agir, de forma que consigamos ser honestos, mas sem ofensa e sem precipitação 🙂

Abraços e bom domingo,

Amanda

Legado

Normalmente um legado é uma disposição feita em um testamento para benefício de alguém que se deseja beneficiar, e pode ser algo de valor financeiro ou de valor histórico.  É o legado que deixamos.

Se um testador atribui a alguém este legado, por testamento ou algum documento, é porque desejou beneficiá-lo, também de acordo com a lei de herança que dirá se aquela pessoa terá o direito de herdar.

A herança é o conjunto de bens que uma pessoa deixa depois de sua morte e o legado consiste num bem determinado deixado por testamento a uma determinada pessoa, que pode ser o próprio herdeiro.

Herdar um legado é um prêmio, mesmo em não se tratando de bens materiais, mas uma tendência cultural, ou espiritual que herdamos e que vamos identificando durante nossa vida.

Quantas vezes nós nos perguntamos porque temos certas facilidades e habilidades, em qualquer área, seja espiritual ou material.

Encontramos propensões que ficam meio inexplicáveis, e que muitas vezes nossos pais tentam nos explicar e nos mostrar de onde tenhamos herdado de algum parente que às vezes nem conhecemos ou convivemos.

Conforme fui crescendo e atingido a juventude, por exemplo, fui descobrindo afinidades com meus pais, a parte musical que meu pai tinha a facilidade até mesmo de compor músicas e tocar instrumentos muito bem, eu também gosto de tocar instrumento e cantar.

E assim, vamos vendo de que maneira herdamos características, analisamos no que parecemos mais com mãe ou com pai, e mesmo com parentes não tão próximos.

É algo estranho e às vezes até muito divertido, e essa mistura de particularidades no nosso comportamento e na nossa maneira de pensar e agir que nos faz as pessoas que somos.

Quando nos propomos a nos analisarmos, sempre nos identificamos com nossos pais, vemos nossas tendências e a forma como saímos de todas as situações em nossa vida.

E assim, vamos tratando de valorizar nosso legado, e os que nos são deixados, sempre nos analisando e procurando até mesmo melhorar as tendências herdadas.

Feliz Dia das Mães!

Abraços e bom domingo, curtindo nosso legado 🙂

Amanda

Egocentrismo 

O egocentrismo é um comportamento em que o indivíduo se refere essencialmente a si mesmo ou a tudo o que lhe diz respeito, o que normalmente acaba gerando um isolamento social.

Caracteriza-se pela simples aplicação prática do egoísmo, priorizando o seu ego na maioria das vezes, muitas vezes sem ouvir nem considerar a opinião de outras pessoas.

Estudos já mostraram que o egocentrismo pode ser notado mais em crianças e muitas vezes desaparece na idade adulta, ou diminui, felizmente, pois não é fácil lidarmos com pessoas egocêntricas na vida do dia a dia.

Claro que quando crianças, de maneira geral, costumamos ser de certa forma egocêntricos por natureza.  A criança tem a tendência de querer que o mundo dela rode ao seu redor, só que quando essa fase infantil não é superada, pode se tornar patológica.

E se não é superada, pode dificultar diretamente os relacionamentos.

O egocêntrico, egoísta por natureza, sempre acredita que o mundo gira ao seu redor, e se age assim, ignora até mesmo a necessidade de quem o rodeia, na família, e amigos que vai conquistando com o passar de sua vida, e perdendo.

Se esse tipo de pessoa é importante para você, vale a pena dedicar um certo esforço e tratar de manter um diálogo, e falar sobre o que você sente é importante, claramente.

Mas mais importante ainda que não nos deixemos dominar por esse tipo de personalidade, demonstrando que também se tem um ego, e que igualmente precisa ser respeitado.

E assim, tentemos sempre entender seus padrões de comportamento, com carinho e compreensão, pois quem sabe se tratarmos dessa forma, conseguiremos melhores resultados.

E dessa forma se consiga uma melhor condição de funcionamento da personalidade para uma convivência agradável e adaptada 🙂

Abraços e bom domingo, sem egocentrismo!

Amanda

Questionamento

Questionamento é a chance que temos de tirarmos dúvidas sobre algo que gostaríamos de aprender melhor a respeito.

E para aprender, um dos princípios básicos é cultivarmos a humildade, e nos convencermos de que somos ignorantes a respeito do que esteja sendo discutido ou exposto naquele momento de nossa vida.

Questionar é o ato de perguntar, afim de obter informação sobre algo que nos interessa e que queremos aprender.

Para isso, claro que nossa vaidade deve estar completamente anulada, pois estaremos precisando nos esclarecer sobre algo que nosso conhecimento estaria limitado.

Como diziam os antigos, perguntar não ofende, e se formos humildes, aprenderemos muito a respeito daquilo que não teríamos o conhecimento adequado.

E com isso provavelmente aprenderemos muito sempre, se tivermos a capacidade de questionar com genuína humildade, para ouvirmos e até mesmo discutirmos nosso ponto de vista.

Muitas vezes questionamos, mas não queremos escutar as explicações de quem sabe mais sobre aquele determinado assunto.  Importante, portanto, não deixarmos que a vaidade nos impeça de aprender e indagar para que nossas dúvidas possam ser esclarecidas.

Claro, o que não nos impede de replicarmos quando essas dúvidas ainda existirem, pois estaremos aprendendo cada vez mais.

Questionar é levantar uma questão no propósito de esclarecer e se chegar a uma conclusão satisfatória sobre o assunto em questão.

Quando questionamos sobre a vida, estamos buscando nossos objetivos e sonhos, nos perguntando sempre por que fazemos coisas de que não gostamos, às vezes, e gostamos muitas vezes de coisas que acabamos não fazendo.

Questionamento importante.  Mas tenha a humildade de ouvir seu “eu” ao responder a essas dúvidas.

Importante nos analisarmos sobre nossos propósitos e sobre o que tenhamos feito até agora em nossa vida, o que fazemos com mais facilidade, e se não tivéssemos limite, o que faríamos a mais?

Dentro do que nos cabe poder realizar, façamos a pergunta principal se somos realmente felizes em estarmos realizando aquilo que nos cabe no momento.

Pensemos e tentemos realizar o que for melhor para nossa satisfação e realização, tanto pessoal quando profissional.

Sempre questionando e se questionando, com humildade!

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda