Arquivo mensal: março 2017

Competição

Competir pode nos trazer a idéia de algo que não seja muito construtivo entre os seres humanos, de maneira geral.

Mas ai temos, como em quase tudo, um duplo sentido, que depende de nossa interpretação, pois a competição pode levar, muitas vezes, a um progresso, seja na área produtiva, esportiva, social, etc.

Competir de maneira a não prejudicar o nosso próximo, é algo que pode nos levar ao aprendizado por observação a quem já seja um vencedor, em qualquer área da atividade humana.

Pode se tornar um incentivo, levando o ser humano a tentar melhorar, do ponto de vista sadio, claro, sem se deixar levar pela simples inveja de alguém que venceu e computar essa vitória a simplesmente sorte.

Sem nos esquecermos de que o vencedor, provavelmente, lutou muito para chegar onde chegou.

A observação pode nos levar a uma competitividade até mesmo sadia, se formos humildes, tomando como exemplo o esforço de nossos adversários, que, se são vencedores, conseguiram suas vitórias na luta que empreenderam, sem economizar esforços, e com muito mérito.

Não é fácil competir, pois lutamos paralelamente com os adversários que, muitas vezes já teriam mais tendências que nós, mais tempo e disposição, e tudo isso pode influir para sua vitória.

Mas, se formos pensar de antemão na nossa derrota, nada conseguiremos, então a única maneira de disputarmos é insistirmos num treinamento que exige boa vontade, tempo, disposição, disciplina e tendências.

E temos que nos lembrar que a competição não se refere somente a parte física, mas também nos negócios, nos estudos e em diversas áreas, e em todas elas a luta que travamos deverá ser grande, honesta e dedicada.

A competição é a interação de indivíduos da mesma espécie ou espécies diferentes, humana, animal ou vegetal, que sempre disputam algo, e essa disputa pode ser por diversos objetivos como alimento, emprego, pela conquista amorosa, posicionamento social, etc.

A luta deverá ser pautada pela audácia e perseverança, acreditando nos futuros frutos, que, certamente, virão, pois é normal conseguirmos resultado de uma batalha empreendida com vontade e honestidade.

Competir não precisa, necessariamente, ser algo que ofenda ou que seja desagradável, ao contrário, uma disputa pode ser altamente construtiva, levando os competidores a lutar para alcançar a vitória desejada.

E vitória de um pode mesmo servir como incentivo para o concorrente, se ele for imbuído de vontade de vencer, pois nem sempre competirá com o mesmo adversário e essa competição pode lhe dar a variedade de defesas que ele desenvolverá.

Vamos sempre empreender uma disputa, mas, principalmente, com honestidade e dignidade!

Abraços e bom domingo, digno de uma competição honesta e saudável 🙂

Amanda

 

Anúncios

Ambição

Quando falamos em ambição, sempre pensamos no lado negativo dessa característica, mas, na verdade, isso não é real, pois ambição pode ser uma característica de vontade de lutar e de vencer.

Evidentemente, ao sentirmos esse propósito de alcançar algo que desejamos, não quer dizer que estamos sendo levados pela inveja ou qualquer outro mau sentimento, e sim o incentivo pela luta para chegarmos a um resultado que nos proponhamos.

Assim, é a aspiração por uma realização à qual nos propusemos e pode garantir uma luta e um desafio para atingirmos o resultado que perseguimos quando desejamos algo.

E também pode ser a motivação para se realizar o objetivo desejado, desde que dentro de limites, e que não seja fora de medidas de fidelidade, de educação e da decência sempre que se tenha atitudes normais e fiéis a um objetivo.

É um desejo natural tentarmos alcançar uma meta, seja em relação a estudo, profissão, social, e a ambição pode incentivar essa luta no sentido do progresso que o ser humano vem buscando.

O que se tem que temer e procurar é o controle dos sentimentos e ter em mente que a ambição, muitas vezes, gera atitudes nem sempre tão sinceras e elegantes. Importante se policiar para que a vontade de vencer algum desafio não seja motivo para comportamentos que não sejam sérios e honestos.

Mas, de outro lado, não nos esqueçamos de que ambição pode ser um sentimento benéfico, que nos faz crescer e nos impulsiona a dar o melhor de nós mesmos para obter aquilo que aspiramos.

Pois a ambição só é ruim, quando os meios para atingir nossos objetivos são prejudiciais para nós mesmos, ou ao meio que nos cerca.

Nosso objetivo tem a possibilidade de ser atingido quando cultivamos a determinação, que é o que faz com que consigamos atingir uma determinada ação.

Importante sabermos que a ambição saudável deve ser acompanhada da determinação na batalha que travamos para conseguirmos os resultados que desejamos e pelos quais estaremos lutando, com honestidade e força de vontade.

Ela pode ser muito positiva, dentro das medidas da decência e sem fazer mal a ninguém.

Se for construtiva, sem prejuízo para ninguém e fizer com que se lute e se empenhe para resultados positivos, não prejudica e pode colaborar para o progresso da ciência, de todos nós, e do mundo.

Na verdade, ambição pode significar criar seu próprio caminho na vida, saber o que se quer, e tentar chegar lá, importantíssimo, sem prejudicar a ninguém.

Sempre se diz que as pessoas ambiciosas são as que fazem o mundo girar. Mas muito importante manter sempre, dentro de cada nível e categoria da ambição, a honestidade de princípios.

Abraços e bom domingo, cheio daquela boa ambição – principalmente de ser feliz e conviver bem com o próximo 🙂

Amanda

Domínio das emoções

“Os indivíduos de maior prestígio pessoal são os que têm intensas emoções, mas conseguem dominá-las.” (Alberto Montalvão)

Sempre consigo retirar de algum dito de meu pai uma idéia verdadeira, ou pelo menos que considero verdadeira.

Nesse caso, falaremos sobre emoções que, não dominadas, podem ocasionar consequências, muitas vezes sem volta.

A emoção, demonstrada em forma de carinho, é sempre bem-vinda por qualquer pessoa, pois é demonstração de amor e dedicação, e, nesse caso, não devemos controlar essa mostra, que pode mesmo modificar uma situação difícil. Emoção sadia se torna sempre muito grata.

Um simples sorriso, por exemplo, em ocasião onde estaríamos enfrentando algum problema, pode amenizar nossa tristeza e apreensão em relação a algo que esteja nos preocupando.

Quando falamos em dominar nossas emoções, seria no sentido de não exagerarmos nessa demonstração, para não sermos interpretados erradamente, e com isso, criarmos situações embaraçosas, e até mesmo de difícil solução.

Para conseguirmos controlar nossas reações, teremos que usar o raciocínio, sem nos deixarmos vencer por sentimentos que poderão transformar toda a reação, fugindo de um equilíbrio que torna ideal todo um resultado.

E que modifica tudo o que poderia ser.

Em muitas ocasiões, teríamos outro tipo de reação se usássemos o raciocínio, pois os resultados podem ser totalmente diferentes e, sem pensarmos melhor, podemos ter consequências de difícil solução.

A emoção nos envolve completamente, a mente e o corpo, pois é um sentimento desencadeado por um estímulo ou por um pensamento, e envolve reações e sensações pessoais.

Sentir emoções significa ter sentimentos, por isso nem devemos nos sentir intimidados por conseguirmos nos emocionar, e sabemos que cada expressão de emoção depende de diversos tipos de cultura e de sociedade.

Mas, importante é que as atividades emocionais sejam equilibradas com uso de nossa racionalidade e com o pensamento que respeite as diferenças individuais, a fim de termos um convívio pacífico e harmonioso, familiar e social.

Devemos sempre cultivar a tolerância, respeitarmos as diferenças de cada um de nós, para termos uma convivência o mais possível cheia de paz e harmonia.

Para isso, temos que dominar as emoções, usando o mais possível, nosso raciocínio e conseguirmos ouvir nossa razão, pois dessa forma, evitaremos, muitas vezes, consequências difíceis de serem vencidas, ou dominadas.

Todos já assistimos pessoas perderem o controle emocional, por terem que enfrentar algo que deu errado, e às vezes nada de importante que valesse a pena a pessoa se descompensar, pois isso traria somente aborrecimento inútil, e que não levaria a nenhum lugar.

Claro que todos somos sujeitos a emoções básicas, como o medo, a raiva, a alegria e a tristeza, mas estarmos conscientes delas, e conseguir superá-las através do raciocínio, constitui um fator importante para que nossa vida seja mais agradável.

E sem cultivar de maneira exagerada a raiva e a tristeza que, muitas vezes, surgem em nossa vida, e as quais temos que aprender permanentemente a dominar.

Abraços e bom domingo, cultivando as emoções bonitas para nos sentirmos mais felizes 🙂

Amanda

Doação

Quando falamos em doação, pensamos imediatamente em doação do ponto de vista material, seja para alguém que sabemos necessitar para sobreviver ou para sustentar alguma entidade que dependa exatamente de quem possa ajudar no seu sustento.

O que é extremamente admirável, e que fazemos sempre que somos solicitados, é nossa obrigação do ponto de vista social, religioso, moral.

Se temos recursos, devemos socorrer os menos favorecidos pela vida, pois todos nós temos as mesmas necessidades, e os mesmos anseios.

Mas aqui desejamos também colocar em evidência outro tipo de doação, que é baseada em amizade, no calor humano.

Quantas vezes um simples abraço, um aperto de mão, um olhar de compreensão pode amenizar uma dor, não somente física, mas da outra pessoa sentir nosso calor e nosso apoio, sabendo de antemão que pode contar conosco, com nossa ajuda, seja espiritual, ou material.

A doação de nosso tempo é sagrada, pois todos vivemos cumprindo compromissos que na vida moderna, se multiplica a cada dia, pois sempre nos envolvemos com muitas obrigações, e colocamos como meta muita coisa a realizar.

Fácil não é, definitivamente, mas temos a obrigação moral de socorrer nossos semelhantes que nos necessitam, e, muitas vezes, a doação de nosso tempo pode salvar até mesmo uma vida, se colocarmos nosso ombro e nossos ouvidos a receberem as queixas e dúvidas que nos são apresentadas.

Mesmo porque ninguém se queixa por nada, pois significa uma humilhação a que nenhuma pessoa consciente se submete sem um motivo muito grave, do qual sabe que nós poderíamos ajudar a solucionar.

O fato de ouvirmos cria um alivio a quem necessita, essa uma doação que nada nos custa, nem física, nem financeiramente, somente nos faz despender de um pouco de nosso tempo.

Ao escutarmos suas dúvidas, o nosso próximo se alivia e passa até mesmo a buscar soluções para aqueles problemas que ali está expondo.

Tão fácil ouvirmos … por que não?

Esta é uma pergunta que temos que nos fazer, para evitarmos o egoísmo natural, de nosso tempo gasto com o nosso próximo, ou de algum bem material, que se analisado friamente, muito pouco ou nada nos custaria.

Já pensaram quanto um abraço pode significar?

Isso é uma doação que devemos aprender a fazer, e, na maioria das vezes, nada nos custa, e é uma experiência que pode nos trazer uma realização e uma satisfação íntima.

Antes de acharmos que iria nos incomodar, ou que nada teríamos a ver com tal situação, vamos pensar e tentemos ouvir, para não termos um pré-julgamento indevido e egoísta.

Vamos, então, raciocinar antes de julgarmos indevidamente uma solicitação, seja ela material ou espiritual, uma opinião ou algo que nada nos custa, somente nossa boa vontade e nosso espírito de colaboração.

Abraços e bom domingo, doando nossa boa vontade 🙂

Amanda