As duas faces da verdade

Costumamos julgar  pelas aparências, sejam físicas, emocionais ou profissionais.

E sabemos muito bem que isso nem sempre corresponde a realidade, sendo que toda verdade tem dois lados, dois aspectos diferentes, duas visões completamente diversas.  Cada pessoa tem sua própria personalidade e, com isso, seu próprio raciocínio.

Comecei uma vez a escrever um livro que iria se chamar:  AS DUAS FACES DA VERDADE.

Eu já havia escutado tantas vezes opiniões diferentes sobre a mesma situação,  referente ás mesmas pessoas, que isso me chamou a atenção.

Passei, então, a fazer entrevistas com as duas partes: casais, pais e filhos ou filhas, patrões e empregados, e outros tipos de pares.

Claro que eu me comprometia de nunca revelar no livro os nomes reais, pois queria transcrever as entrevistas e no final pegar a opinião de um especialista para recomendar algo naquele relacionamento.

Apesar de comprovar o que já vinha observando durante minha vivência, as surpresas foram enormes.

Uma das vezes fui entrevistar um casal e escutei primeiro a esposa, que respondeu às minhas perguntas com muita simpatia e se descrevendo como uma pessoa muito ardente, muito dedicada ao casamento, ótima mãe.

Em seguida, foi a vez do marido. Eu já tinha as perguntas prontas e tentei me fixar num roteiro previsto anteriormente.

Mas não consegui, pois ele começou a se desabafar, fora de propósito, evidentemente, pois não era meu objetivo.  Na verdade, eu só queria mostrar como as pessoas, muitas vezes, se vêem de uma forma e, quem convive com elas, as vêem de maneira diferente.

Mas ele se referiu à esposa de maneira tão diferente do que ela se via, que fiquei mesmo chocada, pois as diferenças eram enormes em todos os sentidos.

Tempos depois soube que se separaram, o que não me surpreendeu nem um pouco.

Também tive a oportunidade de entrevistar uma mãe e duas filhas, o que foi algo extremamente emocionante.

A mãe se via como uma mãe exemplar, tolerante,  alegre, dedicada, que sempre  ajudava as filhas no que precisassem.

Fui falar com as duas filhas.  Foi impressionante ver a diferença de idéias, de visão que tinham da mãe – que ela era displicente em relação a elas, intolerante e chata.

Muito bem, depois de certo tempo as entrevistas me deixavam muito tristes e acabei com o projeto.

Claro que nem todas as relações são falsas, nada disso.  Mas é bom ter em mente que nem sempre quem convive conosco nos vê como imaginamos que somos vistos.

Quem sabe deveríamos perguntar de vez em quando ao nosso próximo como ele nos vê?  E, aí, ter coragem de receber as criticas e, se acharmos justo, tentar mudar nossos conceitos humildemente.

Grande abraço e um ótimo domingo,

Amanda

Anúncios

Publicado em abril 22, 2012, em Inteligência Social. Adicione o link aos favoritos. 9 Comentários.

  1. Importantissimo para as mulheres. Falamos muito e desulpamo-nos pouco….

  2. Amanda, texto fantástico! É muito interessante como às vezes nos vemos fazendo coisas que são interpretadas e vistas de forma tão distinta. Mais interessante é o fato de agirmos com um intenção e acabarmos revelando um lado completamente diferente.

    Quando iniciei minha experiência como residente nos Estados Unidos, logo me deparei com a situação de famigerado “law suite”, ser processada. Foi aí que aprendi que tudo gira em torno de como o outro se sente diante do seu comportamento, e não do seu comportamento, em si. Ou seja, posso agir de tal forma perante meus filhos e marido e me senti uma mãe aberta e compreensiva, uma mulher organizada e dedicada. Para eles, no entanto, posso não passar de uma “chata”. Seria a face da verdade ou a face da intenção, interpretação, manipulação…

    Seu texto me fez me questionar muito, e pensar em como me vejo e como sou vista pelos outros, incluindo minha família.

    Concordo com a Isabel, no que se refere ao esclarecimento de opinião, a conversa. Principalmente entre as pessoas que nos são próximas e queridas.

    Muito obrigada por me permitir participar de seu blog. Seus textos têm me feito muito bem.

  3. Paulete Eberhardt

    Essa é para parar e pensar, coisa que muitas vezes não fazemos.
    Como às vezes as coisas são muito mais complicadas do que
    imaginamos!!!
    Grande abraço,
    Paulete.

  4. Difícil e indispensável essa coragem de se defrontar com a verdadeira imagem que temos junto aoa outros…

  5. virginia vilela duarte

    As duas faces da verdade. Ótimo post. Nos faz refletir sobre como somos vistos. Auto crítica de vez em quando é preciso.
    Nao conhecia este seu lado escritora. Lindo
    Um beijo grande
    Virginia

  6. A percepção de nossa imagem pode ser diferente dependendo do receptor. Tentar entender cada receptor com maturidade é uma tarefa constante e incessante. Adoro seus textos. Bjs

  7. Amanda,

    Gostei muito do comentário da Lilian Meronho e da Carmen.

    O tema de hoje está muito apropriado para o momento que estou vivenciando, e é bem polêmico.

    Viemos de Um Único Criador, portanto somos UM todo coeso, por isso mesmo, o modo como o outro nos vê é responsabilidade nossa, em algum ponto de nossa personalidade acalentamos por pequena que seja a realidade apontada pelo nosso próximo.
    Opiniões sobre nós deveria mesmo ser como uma bússola a nos orientar, mas muitas vezes a maneira como o outro nos “vê” é motivo de intriga, maledicência ou fofoca.

    Seria muito construtivo realmente se o outro emitisse sua opinião sincera e amorosa, e nós também estivéssemos receptivos para ouvir e promover melhoras em nosso comportamento.

    Oro sinceramente por uma realidade mais amorosa para toda a humanidade.

    Obrigada Amanda, por preencher meus domingos com temas que tem “tudo a ver comigo”. Muito Obrigada.

    Tenha uma ótima semana.
    Abraços.
    Isabel

  8. Lilian Meronho

    Incrível como temos a péssima mania de nos vangloriarmos em tudo não é? achamos que somos perfeitos, sempre tentando dar um jeitinho de mostrar somente o que de bom achamos que temos e se não conseguimos alcançar a perfeição é sempre culpa do outro…. precisamos a cada dia exercitar nossa reforma íntima que é sempre muito dolorosa e difícil mas necessária : ) Aceitarmos que não somos tão perfeitos assim já é um grande passo. Um beijo em seu coração : D

  9. Muito bom Amanda, que bela contribuicao vc esta nos dando!!, voce eh muito especial, uma pessoa que esta sempre agregando, do bem, querida, adoro voce…fada madrinha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s