Arquivo diário: abril 15, 2012

Ingratidão

Eu acho a ingratidão um dos piores sentimentos que alguém pode ter.

Ela maltrata a nossa essência, pois quando somos ingratos com alguém, nos sentimos mal, sabemos que cometemos um ato horroroso, desleal.  Mas faz parte da personalidade de algumas pessoas não reconhecer o que lhe foi dado.

E isso evidentemente não se aplica somente a ajuda financeira ou material, mas psicológica – um conselho, um ombro amigo.

Conheci uma pessoa há muitos anos.  Era uma amiga que casou-se, teve dois filhos e a mãe dela, que morava em outro estado, vinha para cuidar de seus filhos, ajudar em tudo sempre que podia.

Ela tinha outros dois filhos lá e deixava tudo para vir olhar os netos dessa filha, minha conhecida.

As crianças foram crescendo e a avó já não era tão necessária na visão da filha, claro erradamente.

Então já não a convidavam para viajar junto com eles, e foram tratando de excluí-la de quase tudo.

Ela se sentia muito desprezada, e como se tornou nossa amiga querida, passei a adotá-la, ficou companheira de minha mãe, passava dias em nossa casa, e se queixava, chorando, do pouco caso que sofria da filha e do genro, e até das crianças, pois eram influenciadas pelos pais.

Muito triste, mas a história não acabou por aí.  A vida sempre dá o troco mesmo.

Anos depois, a senhora faleceu e fiquei muito triste, mas consciente de que eu tinha feito para ela em vida tudo o que podia fazer para deixá-la menos infeliz.  E eu disse para minha mãe que eu queria ouvir um dia da filha dela que havia se arrependido de sua atitude.

E, um dia, assim aconteceu em minha casa.

A filha havia estudado grande parte da doutrina espírita e ficou mais tolerante e tranqüila.  Me falou textualmente de seu arrependimento no trato com sua mãe.

Fiquei, de certa forma, feliz, e emocionada.

Muitos nascem e crescem com um forte sentido de gratidão.  Mas já fico satisfeita de ver aqueles que conseguem desenvolver esse sentimento ao longo dos anos e do próprio sofrimento.

Temos tantas formas de nos sentirmos gratos por tudo, começando pela vida que temos e, saúde, que é nosso bem maior.  Nada fazemos sem ela.

O dinheiro é relativo, pois ele, isoladamente, não nos devolve a vida, a saúde, nem a felicidade.

Ele compra, naturalmente, o conforto material, e todos trabalhamos para poder dar o merecido bem-estar à nossa família e tudo que nos rodeia.

Sou muito grata pela vida que tenho e por todos os meus funcionários, que considero colaboradores.  São a continuação de nossos membros – braços, pernas e até nosso cérebro, pois quantas vezes nos lembram de muitas coisas que no momento estamos deixando de lado.

Merecem gratidão também nossos amigos que em horas difíceis  nos acompanham e nos fazem companhia.

Eu sempre tive ótimas experiências com amigos, nunca fui ofendida por nenhum deles, e sempre tive apoio incondicional.

Sou grata a Deus cada manhã por mais um dia com que Ele me presenteia, e faço a intenção de tentar vivê-lo o melhor que minha mente consegue alcançar.

Sou grata pela minha pequena e adorável família, onde todos são saudáveis física e mentalmente.

Nunca se deve esperar a gratidão como um pagamento, mas é triste sofrer uma ingratidão

Minha gratidão eterna a todos que me querem bem!

Grande abraço e ótimo domingo,

Amanda