Arquivo diário: julho 19, 2015

Ter razão

“Eu sempre tenho razão”.

Todos nós já ouvimos essa frase de pessoas sem nenhuma modéstia ou sentimento de autocrítica, mesmo porque nem sempre todos têm razão, ou melhor, cada qual sempre acha que suas razões são as mais verdadeiras.

Só que, muitas vezes, “é melhor estar em paz do que estar certo,” como já disse um pensador.

Já assisti teimosias sob pontos de vista diferentes, até mesmo em reuniões sociais, o que torna a festa, normalmente, um transtorno e uma tremenda vontade de ir embora, e que desvirtua o ambiente programado.

Pode ser até que ambas as partes estejam certas, mas a discussão estéril não leva a nada, como já comentamos anteriormente em outros blogs.

Se temos certeza de nosso conhecimento, não precisamos ter a necessidade de uma afirmação que somente terá a função de satisfazer a uma vaidade pessoal.

A nossa razão aparece sempre que nossa previsão atua de maneira racional e baseada em fatos que nos dão, talvez não a certeza, mas a possibilidade de estarmos corretos em nosso julgamento e avaliação de uma situação.

Inclusive, temos que contar nos dias de hoje, com o volume de informações que nos chega e que é brutal em todos os setores da atividade humana e através de todos os veículos de que dispomos.

Importante que consigamos discutir um ponto de vista sem que nos irritemos e sem necessitarmos que nossa razão seja imposta a qualquer custo de uma discussão estéril e que não levará a nada.

Lembrando que o fato, numerosas vezes, é circunstancial, novos dados podem ditar mudanças de raciocínio, e, portanto, uma discussão que não traga fatos novos e não esclareça os “velhos” se tornará oca e sem fundamento.

Muitas vezes, um debate pode ser produtivo, mesmo sem que tenhamos razão, pelo simples fato de conseguirmos ter a elegância de expor nosso ponto de vista.

Podemos, sim, usar argumentos soberanos e comprovados, que não possam dar margem a dúvidas e ponderações inúteis.

Numa discussão, todos têm como objetivo, convencer o interlocutor.

Só que mesmo com toda razão, entrar em debate, e, muitas vezes, até estar certo, não é o suficiente.

Temos que tentar usar palavras não ofensivas, para não nos sujeitarmos a um resultado sem volta, como provocar uma inimizade que não desejaríamos.

Todos sempre temos razão a partir de nosso ponto de vista, mas se ouvirmos a razão do outro podemos descobrir coisas que nem imaginaríamos e, quem sabe, se formos um pouquinho humildes, aprendermos com as idéias que nos forem apresentadas.

Para isso, temos que educar nossa boa vontade e a paciência de escutar o nosso próximo, pois, dessa forma, podemos aprender muito com as proposições do outro.

O negócio é respirar e aproveitar a companhia das pessoas com as quais convivemos.

E nos lembrarmos de que elas também merecem ser escutadas.

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda