Arquivo diário: agosto 17, 2014

Passaporte para a grosseria

Estranharam o titulo, não é?

Eu também achei muito interessante, outro dia, quando ouvi o relato de uma amiga, nos contando, admirada, uma passagem de sua vida, quando conheceu um homem com quem poderia até talvez iniciar uma relação. Mas essa hipótese ficou absolutamente fora de questão já no primeiro encontro.

Ele era uma pessoa de muitas posses materiais, e pelas idéias que expôs, deixou claro que achava que o dinheiro, em si, poderia comprar qualquer tipo de contato, e gentilezas poderiam ser dispensadas em função de seu poder financeiro.

Tinha, então, atitudes grosseiras com quem quer que o atendesse, subalternos de maneira geral, ou funcionários de restaurantes, lojas, onde quer que ele fosse afim de ser atendido.

Seu pouco caso total para com as pessoas criava sempre um constrangimento para quem estivesse junto, e que não pertencesse à sua “tribo”.

Minha amiga, claro, não seguiu o relacionamento, por falta absoluta de possibilidade de convivência pacífica, e por não ter o temperamento típico de quem possui esse tipo de atitude em relação ao poder aquisitivo.

Ele dava mesmo a entender que o dinheiro que tem e que podia gastar sem economia lhe dava o direito de fazer o que quisesse e, por consequência, de ser grosseiro com quem quer que fosse.

Achar que o dinheiro é um passaporte para a grosseria é de um mau gosto a toda prova, e um engano total, principalmente quando isso se dá em relação a alguém que possui menos recursos materiais que nós.

Ao contrário, se lidamos com alguém com menos possibilidades, temos que considerar, e pelo menos evitar de como se diz ”jogar na cara”, a diferença financeira que alguns não têm a culpa de enfrentar.

Como se diz, é “enfiar a faca e mexer o cabo”.

Mas se alguns têm a dificuldade de relacionamento com quem tem menos recursos, nós não somos obrigados a manter o contato com essas pessoas. Eu me recuso. Me faz muito mal assistir a grosseria desse padrão de comportamento.

Conviver, então, seria impossível, e foi o que aconteceu com essa minha amiga, que não suportou o outro que só sabia tratar decentemente alguém por interesse próprio, e que constatasse o padrão financeiro equivalente ao seu.

Quem pensa que a riqueza material é passaporte para grosseria está profundamente enganado, valendo lembrar em quantas vezes nesta vida dependemos de assistência de quem possui menos que nós.

Quem já esteve internado em algum hospital, por cirurgia ou tratamento e dependendo, portanto, de cuidados de auxiliares para lhe fazer a higiene e tratar de tudo para o doente, sabe o quanto nessa ocasião o dinheiro isoladamente perde o seu valor real.

Não poderá, com todo o dinheiro que possuir, mudar a ordem dos acontecimentos e recuperar a saúde pagando pura e simplesmente.

Portanto, tenhamos sempre cuidado para não usarmos nunca a posse que nos foi presenteada pela vida como um passaporte para a grosseria.

Abraços e bom domingo, cheio de gentilezas, que não custa nada 🙂

Amanda