Arquivo diário: agosto 31, 2014

O Bem Permanece

Uma citação de Shakespeare define uma idéia das atitudes que temos durante nossa vida:

“ O Mal que os homens fazem permanece vivo além deles; o Bem é enterrado com seus ossos”.

Essa afirmação pode até ser uma triste realidade em alguns casos. Mas não podemos viver em função dessa declaração, ou nada faremos e nossas atitudes se tornarão doentias, desenvolvendo costumes que nem seriam parte de nossa história habitual.

Eu, pessoalmente, ainda acredito em fazer o bem, sem olhar a quem, mesmo que depois ele seja enterrado conosco.

Ainda que nossa atuação não seja lembrada em função do que fizemos, não deveremos anular nossa boa vontade e o desejo de auxiliarmos a quem nos procura e necessita de algum tipo de ajuda de nossa parte. E isso, sem esperarmos o reconhecimento.

Se vivemos bem com o nosso próximo e cometemos atos de boa vontade, caridade e bem estar com todos os que nos rodeiam, teremos, provavelmente, uma vida agradável, com uma convivência tranquila em relação aos nossos parentes e amigos.

Se ninguém considerar ou reconhecer o que fizemos após nossa partida dessa vida, é um problema de como cada um cultiva a ingratidão. Mas, naquele momento, passa a não ser mais nosso problema, e sim de quem fica.

Mesmo porque, se formos valorizar somente a gratidão não faremos nada em nome de agradecimentos, portanto nosso propósito deverá ser o de fazer o bem, ainda que esse não seja reconhecido.

Mas tenhamos em mente que, quanto mais pudermos praticar o bem, tentaremos pelo menos, que quem o receba possa se lembrar de nós com carinho e reconhecimento durante sua vida futura.

Se o mal que o homem faz permanece além de sua morte, e todos se lembram para sempre, tomemos como lição não praticar atos que agridam o bem estar moral ou físico do nosso próximo.

De qualquer forma, o mal será lembrado, pois o ser humano dificilmente perdoa, e nem devemos julgar, pois se fôssemos nós as vitimas de uma maldade, provavelmente sempre nos lembraríamos e nossos descendentes também.

Já quem não tem a faculdade de se lembrar do bem que recebeu de alguém, seja quem for, então também não o fará ao seu próximo.

Sem esperar retribuições ou agradecimentos, estou certa de que devemos praticar as boas ações.

Mas se optarmos por praticar o mal a quem quer que seja, ele será, infelizmente, observado durante toda a nossa existência e além dela.

Dentro de nossos preceitos de irmandade e caridade, estou certa de que cada um de nossos leitores é praticante do bem. Desejo que essas ações permaneçam sempre vivas e lembradas 🙂

Que tal fazer apenas uma boa ação neste lindo domingo?

Abraços e uma ótima semana,

Amanda