Arquivo diário: novembro 11, 2012

Amizade

Muito se fala sobre este assunto e muitas vezes essa palavra é usada levianamente, sem nenhuma convicção ou fé.

Afinal, o que é um amigo?

Se pararmos para pensar, um amigo é um presente que a vida nos dá.  Em algumas ocasiões, sabemos que sem ele, quando alguma dificuldade se apresenta em nossa vida, não teríamos conseguido superar situações de estresse ou tristeza, seja de teor financeiro ou emocional.

E amigo sincero, com quem podemos contar, não é fácil.

Uma vez uma amiga me disse brincando: para os amigos tudo, para os inimigos, a lei.

Naquele momento demos risadas pela frase, mas realmente os amigos devem ou deveriam ter todos os direitos conosco, claro que estou me referindo a amigos sinceros comprovadamente, que nos apoiaram em momentos difíceis de nossas vidas, sem cobrarem nada em troca.

E não estou me referindo a recursos financeiros, nem cheguei aí, pois muitas pessoas não têm condições de socorrer outras com auxilio dessa natureza, mas não tem preço uma visita no momento oportuno se está passando por uma fase difícil e triste, como doença ou falecimento de um ente querido.

Parece que nada foi empenhado em uma visita, mas foi sim:

O tempo, a programação para dispor daquele momento, pois se estamos em algum lugar, deixamos obviamente de estar em outro, cumprindo outro tipo de obrigação, seja ela qual for.

Valorizo muito quando alguém deixou de fazer algo em seu próprio benefício para dispor de um tempo para me fazer uma visita.

Sempre procuro ver o que fazem por mim, por menor que seja o gesto.

Mesmo que não se tenha muitos gostos em comum, devemos descobrir nos gostos do amigo algo que nos interesse, algum ponto que podemos partilhar e mesmo aprender com as diferenças de opiniões.

Faço questão, por exemplo, de manter minha amizade, mesmo com pessoas que não se dão entre si, e me relaciono com os dois lados, sem permitir interferências malévolas.

A verdadeira amizade desconhece diferença de padrões sociais, financeiros, religiosos, e até mesmo culturais.

Quanto se pode aprender da vida com pessoas que nunca puderam ter uma cultura, mesmo geral ou de colégios?

A carga horária  de convívio também não deve ser usada como índice de profundidade da amizade.

Podemos ter amigos com os quais convivemos relativamente pouco mas temos a certeza de que eles, onde quer que estejam, estarão sempre “de plantão”, esperando um chamado nosso e nos ajudarão, se solicitados, a resolver o que lhes tenha sido pedido.

Outro preceito que aprendi desde cedo é que bons negócios fazem bons amigos.  O acerto de contas deve ser algo normal e elegante.

Isto quer dizer que acordos financeiros devem ser sempre acertados entre amigos, sem constrangimento de ambas as partes, o que denota respeito.

Eu gosto mesmo de ter amigos e os cultivo dia a dia 🙂

Bom domingo e abraços da amiga,

Amanda