Guardar rancor

Uma vez eu li algo que me impressionou e que considero muito verdadeiro:

“Guardar raiva é como segurar um carvão em brasa com intenção de atirá-lo em alguém.  É você que se queima”.

Problema sério que significa, na verdade, falta de capacidade de perdoar.

E é uma atitude sem nenhuma nobreza, sem grandeza e sem caridade.

Todos estamos sujeitos a ter atitudes intempestivas, a falar o que não falaríamos se tivéssemos raciocinado melhor, e , na maioria das vezes, nos arrependemos.

A pessoa que se acha ofendida, muitas vezes não quer esquecer, e deveria, pois alimentar a raiva não leva a nenhum caminho produtivo e nem melhora nossa disposição mental.  Pior, envelhece nosso aspecto físico também.

Todos estamos sujeitos a ter reações que não programamos e para as quais, muitas vezes, nem estamos preparados.

Por isso temos que estar dispostos a aceitar reações nem sempre agradáveis de pessoas com as quais temos contato, seja profissional, pessoal ou social.

Penso que temos que procurar analisar cada situação com isenção de ânimos, sem  nenhuma tendência, e procurar entender a razão de uma atitude inesperada.

Nunca sabemos se a pessoa em questão teve algum problema grave naquele momento e que serviu para desencadear uma reação inusitada.

Se procuramos entender, fica mais fácil deixar o rancor de lado.

Claro que tem ofensas imperdoáveis, quando se trata de nossa honra, uma mentira que possa nos prejudicar o futuro ou nossa condição de amizade com alguém a quem amamos.

Mas tem o que  chamamos comumente de “fofoca”,  e que pode ocasionar uma inimizade com quem queremos bem, e que, muitas vezes, nem nos dão a chance de nos defendermos.

Agora, se a pessoa responsável por algum mal estar, nos procura e demonstra arrependimento pelo que possa ter nos causado, creio ser nossa obrigação moral de tentar entender e não guardar rancor.

Conhecemos dois amigos que cresceram juntos e eram muito próximos na infância e na juventude.  Um mal estar que nunca ficou bem explicado fez com que nunca mais se falassem.

Durante muitos anos, um deles sempre tentava uma aproximação, sem resultado ou chance de perdão.

Os circunstantes jamais entenderam a razão de tanto rancor.

As famílias continuaram a conviver, mas eles realmente nunca conseguiram reatar a amizade que os uniu durante uma parte de sua vida.

Morreram ambos com o rancor servindo como pano de fundo durante o tempo em que viveram.

Será que valeu a pena perder o carinho e amizade de alguém pela incapacidade de perdoar?

Saber perdoar é o primeiro ingrediente para se viver em paz 🙂

Perdoe alguém hoje.  Vai lhe fazer bem!

Abraços e bom domingo,

Amanda

Anúncios

Publicado em junho 2, 2013, em Inteligência Social e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 6 Comentários.

  1. Paulete Eberhardt

    Perdoe alguém hoje!!!
    Uma frase para todos os dias!!!
    Bjs,
    Paulete.

  2. Patricia Pupo Nogueira

    Feliz daquele que sabe o poder do perdão!!!
    O rancor não nos leva a lugar algum.

  3. Oriana J Maculet

    Amanda querida, uma frase de otro grande que reafirma tu texto:
    ” Guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra.”
    William Shakespeare

    Bom domingo e boa semana

  4. Difícil pôr em prática, mas verdadeiro sem dúvida…No fim das contas nada tem tanta importancia , os anos diluem a relevancia do acontecido,,,,

  5. Obrigada por mais uma lição de vida.

  6. Amanda
    Toda a verdade transcrita num texto
    Parabens

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s