Arquivo diário: julho 13, 2014

Cerimônia

Temos diversos tipos de cerimônias: religiosa, datas oficiais do país, fúnebres, oficiais, e também comemorações como formatura, casamento, etc.

Mas hoje, me refiro, especificamente, da “cerimônia” no trato com as pessoas, principalmente com amigos e parentes.

“Não faça cerimônia, esteja à vontade” é uma expressão que costumamos dizer quando queremos que alguém se sinta bem conosco, em nossa casa, ou em algum lugar onde estejamos recebendo ou celebrando alguma data.

Mas penso que, quanto mais íntimos nos tornamos, mais cerimoniosos devemos ser, mantendo um trato sempre cortês, não seco e impessoal, mas com a educação que geralmente usamos com quem acabamos de conhecer.

A intimidade não nos dá o direito da má educação e de se dizer o que se pensa, sem nenhuma censura.

O grande segredo da boa convivência é manter o tratamento polido, usando de delicadeza, se queremos receber o mesmo em troca.

Estávamos exatamente conversando sobre isso num grupo de amigas esses dias, e uma delas me relatou que adotou uma atitude mais cerimoniosa com sua irmã, com quem tinha sempre algum atrito anteriormente.

Ao mudar sua maneira de tratá-la, deixando de usar a intimidade como desculpa, tudo se tornou mais fácil e a convivência mais agradável, sem os possíveis choques que tinham anteriormente.

Sinal de maturidade e raciocínio perfeito, pois ambas passaram a se sentir mais confortáveis no convívio e, provavelmente, se descobrirão cada vez mais, sem as agressões anteriores.

Não me surpreendeu, pois minha amiga que relatava esse fato é uma pessoa brilhante, linda, inteligente, profissional de primeira grandeza.

E chegou a essa conclusão, o que tem lhe agradado muito, pois a convivência ficou mais leve em todos os sentidos.

Sempre mantemos uma certa distância, respeito e “cerimônia” com nossos chefes e amigos mais distantes. Por que nos damos o direito de ultrapassar essas linhas de comportamento com frequência com a família e pessoas mais intimas?

Isso não deveria acontecer. Pelo contrario, quanto mais íntima a relação, mais respeito devemos ter.

Imprescindível, a meu ver, portanto, a cerimônia no trato, sempre e em qualquer situação, para que o convívio agradável seja retribuído de ambas as partes e se possam estabelecer diálogos aproveitáveis, ao invés de se perder tempo querendo modificar algo em alguém quando essa pessoa não pensa e não age como nós.

E também, quem garante que estejamos certos todo o tempo?

Mantendo a disponibilidade de ouvirmos, quem sabe teremos a chance de aprendermos algo?

Mas para isso, temos que deixar de lado a pretensão de acharmos que estamos certos sempre.

Aí, entra também a humildade para saber escutar.

A cerimônia ajuda muito para conseguirmos cultivar a educação de ouvirmos sem interromper, seja com quem for.

Quanto mais íntimos, mais cerimônia!

Essa é a minha filosofia, o que não quer dizer que eu esteja certa, pois não sou dona da verdade, mas vivo assim, e para mim, tem sido muito gratificante.

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda