Arquivo diário: setembro 9, 2012

Personalidade/Temperamento

Muitos dizem que personalidade e temperamento podem ter muito a ver com a genética e que é difícil mudar.

Mas será mesmo?

Meu pai sempre dizia que não é por acaso que a cabeça está acima do coração.  E quem pensa, muda, diriam os filósofos.

Então, por que não podemos mudar nosso temperamento se não gostamos de algumas de nossas atitudes, como agressividade, impulsividade, egoísmo?

Antigamente, não se falava em inteligência emocional ou social. Mas as razões pelos grandes problemas de relacionamentos são as mesmas desde o inicio dos tempos: personalidade que não foi educada para a convivência saudável.

E será mesmo que não se pode reverter o temperamento de acordo com o que pensamos e também  dos exemplos que vemos no nosso próximo?

Eu tenho certeza que sim, e na verdade, creio que a personalidade pode dominar  ou ajudar a controlar nosso temperamento.

Se ele prejudica nossa vida, determina nossas reações erradas, o que nos leva a um mau resultado no que empreendemos, temos que tentar reverter a situação, mudando nossa maneira de agir, dominando nosso temperamento.

De vez em quando, ouço alguém dizer que  fulano tem um mau temperamento, e se formos verificar mais de perto, vemos que essa pessoa normalmente é mal sucedida no que se propõe.  O temperamento desajustado sempre provoca reações que não ajudam em nada, só atrapalham.

Tem pessoas que são mesmo escravas do seu mau temperamento, que lhes provoca reações inesperadas, respostas malcriadas, saídas bruscas de algum lugar onde as coisas não se passaram como elas desejariam.

Eu não chamo isso de temperamento.  De fato, é muito fácil a gente justificar uma falta de educação e desrespeito como mau temperamento.

A falta de inteligência emocional pode provocar situações muito desagradáveis, não construtivas, que, consequentemente, resultam em caminho sem volta, na maioria das vezes.

Dominar o gênio, ou temperamento, realmente não é fácil, mas é possível, partindo do nosso raciocínio, nossa força de vontade, levando sempre em conta as consequências que uma atitude mal tomada pode ocasionar.

O temperamento “rabugento,” por exemplo, vai levar a que?

A lugar nenhum, pois a pessoa deixa de aproveitar os bons momentos para colocar suas reclamações, muitas vezes sem motivo em ambientes onde elas não cabem, pelo simples prazer de reclamar.

O temperamento belicoso, sempre provocando um ar de briga no que quer que seja, também não leva a nada, pois todos os circunstantes já sabem o que esperar.

Conheci gente que constantemente tinha explosões de temperamento por qualquer  coisa que não saísse de acordo com suas expectativas, fosse na vida particular, no trânsito, num restaurante, onde estivesse.

E por isso quase não tinham amigos, apesar de serem pessoas com grau de instrução superior, carreira promissora, que, obviamente, ficou prejudicada pelo temperamento difícil.

O segredo é o equilíbrio de atitudes e maturidade para que nossa personalidade consiga controlar nosso temperamento para uma vida mais tranquila e feliz.

Um domingo bem temperado, produtivo e gratificante para todos nós.

Abraços

Amanda