Arquivo diário: março 18, 2012

Felicidade

Para mim, a felicidade começa com a cultura — no seu amplo sentido.    A cultura sempre foi o principal elemento na minha educação, desde a infância.

Com 5 anos ao lado de meu pai, sempre me ensinando algo.

Meu pai me alfabetizou aos cinco anos de idade e para ele, a felicidade consistia no prazer do conhecimento, que pode nos levar a um mundo diferente, relações diferenciadas e ao encontro com pessoas que nos complementam, e assim nos fazem felizes pelo convívio.

Foi muito gratificante desde então aprender o prazer do conhecimento.

Todos gostavam de me ver lendo livros e até jornais, e declamando uma enorme poesia, chamada: Felicidade é Coisa que Não Tem, de Judas Isgorogota.

Na época não sabia exatamente o que declamava.  Mas hoje sei e discordo.

Felicidade é coisa que tem, sim.  Que existe, e eu a vivo diariamente.  Felicidade é algo que buscamos e conquistamos a cada instante.  É um sentimento de realização de nossos desejos, de nossos anseios – mas cada pessoa com sua própria meta.

O sentimento de felicidade é muito relativo.  O que significa felicidade para um não é necessariamente motivo de felicidade para o outro.  O importante é buscar dentro de si esse motivo.

Para um mendigo, a felicidade pode ser receber um sanduíche, uma moeda. Já para o estudante, pode ser passar numa prova, e para alguém doente, retomar a saúde.

O próprio motivo da felicidade é mutável, de acordo com nosso momento e ciclo de vida.

Importante também que possamos encontrar felicidade naquilo que temos, e não passar a vida desejando o que não temos, em qualquer sentido, seja espiritual ou material — o que não nos impede de lutar pelo que queremos e que nos trará felicidade naquele momento de nossas vidas.

No ultimo ano, estava em Miami, quando comecei a ter muita dor no joelho.  Antecipamos a volta, e acabei ficando um mês no hospital e operando a coluna, uma hérnia, que era o real motivo da dor no joelho que me impossibilitava andar.

Quando finalmente consegui dar alguns poucos passos, aquilo foi para mim um  enorme motivo de felicidade.

Quer felicidade maior?  Nada mais importava naquele momento.

Toda vez que conseguimos ultrapassar alguma dificuldade, seja de que natureza for, deve ser motivo de felicidade e de comemoração.

Compete a cada um de nós decidir e lutar pelas metas que nos farão felizes e, sempre, utilizando a cultura como um dos instrumentos.

Nunca confundir cultura com erudição.

Cultura+felicidade=Inteligência social.

“É preciso ensinar aos homens que a felicidade não está onde, na sua miserável cegueira, eles a vão buscar.  Não está na força nem na riqueza, nem no poder, nem tampouco em todas essas coisas reunidas, pois todos – os fortes, os ricos, os poderosos – são escravos das circunstancias e das aparências enganosas.  A felicidade está em nós mesmos, na verdadeira liberdade, na ausência ou na conquista de temor indigno, no perfeito domínio de nós mesmos, no contentamento e a paz de uma vida tranqüila, no cumprimento do dever”.  — Alberto Montalvão – Moderna Enciclopédia de Relações Humanas e Psicologia Geral

Um abraço e bom domingo,

Amanda