Arquivo diário: março 4, 2012

Caridade

O dicionário define caridade como disposição benéfica, esmola, auxilio, amor mútuo e benevolência, entre outros termos.

Mas na verdade caridade é muito mais do que isso.  Não é somente o ato de dar algo em beneficio de alguém, materialmente falando.

É mais ainda o ato de oferecer a alguém que queremos bem, independentemente de atuação financeira, o carinho e amor, isso é caridade no sentido pleno da palavra.

Estou muito impressionada com um fato que presenciei há alguns dias.

Estávamos almoçando em um restaurante com um casal de amigos maravilhosos, conversando bastante, colocando o papo em dia, pois estávamos saudosos uns dos outros.

De repente algo estranho chamou minha atenção.

Chegou um homem de uns 49 anos, bonito, bem vestido, acompanhado de uma senhora idosa, aparentando uns 85 anos, de cabelinho branquinho, cortado curto, arrumadinha, colar, pulseira e bolsa bonita.

Sentaram-se á mesa e num silêncio que chegou a nos incomodar, escolheram os pratos. Nem uma  palavra foi dita entre eles.  Ele só se dirigiu ao garçom que tirou o pedido e veio servir a comida.

Eu  fiquei pensando se não teria sido melhor para a senhora ter ficado em casa, á vontade, vendo televisão.  Me pareceu uma tremenda falta de caridade humana do rapaz, que suponho ser seu filho.

No dia seguinte, quando jantávamos na casa de amigos, eu comentei o fato.  Um deles me argumentou que a gente não sabe o que está por trás dessa atitude, o passado de ambos, talvez a má convivência.  Concordo, mas não justificaria a atitude do rapaz.  Ninguém sai sem vontade, ainda mais para desfrutar de um elegante restaurante, onde normalmente vamos para aproveitar da culinária e do convívio alegre entre amigos e familiares.  Pensava comigo, o que será que passa na cabeça daquela senhora?

Claro, quem sou eu pra julgar uma cena que desconheço os precedentes, mas pergunto: Por que sair para almoçar com uma pessoa que você nem sequer tem o que falar?

Como muitos amigos sabem, perdi minha mãe há pouco tempo depois de uma convivência intima, próxima e muito amorosa.  Sempre a levávamos para almoçar e quando ela estava com minha filha em Washington, também saiam as duas o tempo todo, com alegria, desfrutando da companhia uma da outra.  Sempre fizemos questão de estar com ela e levá-la a todos os lugares que podíamos para que se distraísse e nos honrasse com sua companhia, carinho e sabedoria.

Claro que ela ás vezes se esquecia de algo que havia perguntado antes.  Me lembro que um dia perguntou várias vezes pela minha bolsa. Eu dizia, “está aqui mamy”.

Na terceira vez eu respondi: está aqui mãezinha, obrigada por perguntar.  Deixa do seu lado para ficar mais seguro.  Ela ficou feliz, sorridente e não perguntou mais.

Caridade, para mim, é isso – amar e dar carinho nos momentos de fragilidade, principalmente das pessoas que tanto nos amaram nessa vida.

Este é um dos meus vídeos favoritos que mostram bem o tema de hoje: