Arquivo diário: agosto 9, 2015

Passado

Recebi de uma amiga e achei interessante:

“Quando perguntarem do seu passado, simplesmente responda: eu não vivo mais lá”.

A própria definição da palavra passado já diz tudo: o vivido, o que passou e não voltará jamais, nem para revivermos determinados fatos e nem para modificá-los.

Achei mesmo de uma profundidade incrível, pois viver no passado só nos traria lembranças, que podem ser tanto agradáveis, como dolorosas.

E o pior, nada podemos fazer contra o tempo que passou, uma vez que não estaremos em condições de modificar ou melhorar uma situação, segundo o nosso conceito atual, e até mesmo, nossa maturidade já alcançada.

Reconhecimento de determinadas falhas que tenhamos cometido já seria uma atitude de respeito e arrependimento que, uma vez reconhecidas, poderiam ser, de certa forma, não repetidas, se disso tivermos consciência.

Ai está a sabedoria de conseguirmos nos conscientizar e tentarmos melhorar nossas atitudes na vida em geral, para que não nos arrependamos de atitudes impensadas, ou tomadas intempestivamente.

O passado chega, quase sempre, com lembranças agradáveis e bonitas, nos fazendo reviver momentos de alegria e realização, mas se nos dermos conta de que nem sempre temos boas lembranças, devemos nos satisfazer em tentarmos consertar ou, pelo menos, acertar pontos que nos tornaram infelizes de alguma forma.

Isso para que não nos tornemos pessoas amargas e infelizes permanentemente, infernizando, de certa forma, os nossos circunstantes com nossa amargura.

Tentemos acertar os pontos de insatisfação que talvez nós mesmos tenhamos provocado, seja por imaturidade ou por inexperiência e boa fé.

Conheci pessoas especiais, bem sucedidas em suas profissões, sadias física e espiritualmente, e que se sentiam infelizes por viver um passado que, de certa forma, as atormentavam.

Mas nada podiam fazer contra a passagem do tempo, pois ele não volta, e temos que ter a nossa vontade bem forte, para que possamos iniciar nova luta e contar com resultados que virão dali em diante.

Tentemos anular os acontecimentos passados, se é que nos atormentam, e lutemos com todas as forças para que não se repitam e assim não prejudiquem nossos sentimentos e nosso raio de ação.

O que não podemos e nem devemos é colocar no passado a culpa de eventuais fracassos ou frustrações que tenhamos tido, pois, como ele não volta, o jeito que temos é simplesmente raciocinarmos no sentido de tentarmos modificar o que achamos não ter estado muito certo.

Claro que não é fácil tomar atitudes de mudança, mas o importante é assumirmos nossas fragilidades e evitarmos cometer o que achamos que fosse um erro decorrido em alguma época de nossa vida.

O passado não volta, mas o presente e o futuro estão ai, inexoravelmente, nos dando a chance de tentarmos mudar algo que talvez não tenhamos feito muito bem.

Se culpamos o passado, perdemos a oportunidade de melhorar o presente e o futuro.

Abraços e bom domingo 🙂

Amanda